NEOARQUEO
09 dezembro 2008
  Museu do Porco...Outra vez?!!!
Assumir uma atitude pura e simplesmente passiva perante as últimas notícias sobre o museu do porco, repetidamente apregoadas pelo senhor Presidente da Câmara, será, da minha parte, pactuar, admitir e incentivar que a ideia de se criar o tal museu vá para a frente. Ora, segundo as minhas ideias, opiniões e nas quais não estou sozinho, muito pelo contrário, não o posso fazer.
Na realidade, já referi e escrevi em vários Fora que esta ideia é, no mínimo, peregrina, descabida, sem conteúdo e completamente esvaziada de substrato sociocultural. Além disso, não corresponde a nenhuma promessa política alguma vez feita pelo senhor Presidente. Não faz sentido, ponto final.
Fundamento a minha opinião nos seguintes argumentos: Mangualde (concelho actual) ao longo da História tem nas actividades ligadas ao porco as mesmas que qualquer outro concelho limítrofe. Bem, não consta que os outros concelhos tenham em mente fazer um museu do porco. Nem o Concelho da Benedita, e acreditem caros leitores que lá sim é terra de porcos, com todo o respeito, evidentemente.
Feiras sempre houve e desde a Idade Média que a sua criação teve na maioria dos casos o intuito de fixar as populações e contribuir para o desenvolvimento comercial das diversas comunidades. Os produtos aí vendidos eram vários, tal como hoje. Assim, a Feira dos Santos, que muita vez serve de justificação ao mentor deste projecto, como acontece na reportagem publicada no nº 97 da Gazeta Rural de 31 de Outubro deste ano, sempre foi uma feira onde tudo se vendeu, incluindo a carne de porco e as febras cozinhadas para as diversas gentes que a demandavam, antes e agora. Criou fama de ser uma feira boa e de aí se comer boa carne de porco, é certo, mas também tem boa fama de aí se poder comprar seja o que for. Não me parece que isto justifique uma qualquer teimosa ideia de criar um museu seja do que for.
Já escrevi e referi que se justifica, isso sim, e de forma urgentíssima, a criação de um Museu Municipal. E é fácil e claro perceber as razões que assistem a esta minha ideia e, atrevo-me a dizer, de praticamente toda a população mangualdense e, já agora, ideia que até há bem pouco tempo era também defendida pelo senhor Presidente…
A saber: o vasto espólio arqueológico que se encontra espalhado por diversos museus de Portugal, nomeadamente algum da Anta de Cunha Baixa que se encontra no Museu Nacional de Arqueologia, em Lisboa e também no Museu Municipal de Arganil, teria um lugar para “repousar na sua morada”; o espólio arqueológico das escavações da Quinta do Costa (Romano) em Guimarães de Tavares, deixaria as instalações da Associação Cultural Azurara da Beira (ACAB) e teria um lugar digno para ser exibido; o espólio arqueológico resultante das escavações da Quinta da Raposeira (Romano) e que também se encontra na ACAB, poderia ser dado a conhecer a todos os mangualdenses; os marcos miliários romanos que estão algures nos pátios da Assembleia Distrital de Viseu poderiam regressar ao lugar que lhes pertence por direito próprio; os diversos materiais arqueológicos resultantes de achados avulso que estão em muitas casas particulares, inclusive na minha, teriam a oportunidade de se darem a conhecer a toda a gente; a colecção de mós manuárias luso-romanas que estão na ACAB ficaria bem nesse museu; os diversos materiais etnográficos representativos da ruralidade de todo o concelho: ancinhos, gadanhas, foices, enxadas, charruas, alambiques, etc, etc, etc. seriam mostrados a novos e velhos; o vastíssimo acervo de pintura que artistas mangualdenses reputados nos legaram e cujas obras de alguns deles estão nas paredes de alguns gabinetes da Câmara Municipal de Mangualde e que nunca serão vistos por todos os mangualdenses, poderiam, finalmente, ser admirados por qualquer mortal; o vastíssimo acervo artístico e religioso que se enche de pó e que carece de conservação séria e que pode inclusivamente ser roubado, dado que muito deste material não está devidamente “guardado”, teria um espaço digno…
Bem, poderia arrolar mais uma série de materiais e outros bens que são e constituem a verdadeira identidade sociocultural das gentes do concelho de Mangualde e que justificam a urgência da criação de um Museu Municipal.
Será com a criação de um Museu Municipal que se perpetuará o passado, a História, na sua plenitude, a nossa identidade, no fundo aquilo que nos torna iguais a muitos outros, mas que certamente nos faz tornar diferentes.
Admito, naturalmente, que tal museu dedicasse uma “ala” à Feira dos Santos. Admito que tal museu exibisse numa “ala” aquilo que se poderia chamar de “ciclo do porco”, ou “do porco à febra”. Admito que nesse museu houvesse uma “ala” dedicada a qualquer coisa que ao longo da História nos caracterizou enquanto mangualdenses.
Lembro a este respeito que a Citroen (Hoje PSA), que durante anos deu vida e alma ao nosso concelho, e espero que continue a dar, poderia colaborar com uma “ala” dedicada ao automóvel, entre outras actividades económicas do concelho.
Não só admito como incentivo, nas várias tertúlias que vou tendo com pessoas atentas à cultura do nosso concelho, estes cenários todos.
O que terminantemente não admito, nem percebo é o porquê de tanta obstinação em volta desta ideia do museu do porco!
É que nem sequer se trata de uma promessa política. Aliás, gostaria de lembrar, a este propósito, ao senhor Presidente as promessas políticas que na realidade fez e não cumpriu e que agora substitui por esta parangona do museu do suíno. Assim, aqui vão elas:
Consulte-se o Boletim de Propaganda Eleitoral das eleições para o mandato de 2002-2005 da coligação liderada pelo actual presidente da Câmara e veja-se a página nº 4, no item Cultura, Desporto e Tempos Livres, o terceiro parágrafo diz: Construiremos um Museu Municipal.
Agora, caro leitor, vá ao Boletim de Propaganda Eleitoral do PSD para o mandato que corre ainda e veja a página nº 10, aí poderá encontrar no item Cultura e logo como primeiro item: Construção de um Museu Etnográfico e Arqueológico do Concelho de Mangualde.
Pois…a conclusão é simples: promessas… Promessas que nunca se concretizarão, sobretudo agora que foram repentina e inesperadamente substituídas pelo museu do porco.
Caros amigos e leitores, anima-me o facto de esta ideia do museu do porco não passar de mais uma ideia, de mais um motivo para encher páginas da Gazeta Rural…até porque lá é referido que tal projecto poderá avançar apenas no próximo mandato…Uma coisa é certa, a marca “Museu do Porco” já está registada pela CMM. Boa…Mangualde na vanguarda da rapidez…Anima-me o facto de esta ideia acabar como as outras, isto é, ser mais uma promessa não cumprida. Só que desta vez ainda bem.
Resta fazer uma pergunta mais: quem são os intelectuais que apoiam a ideia do museu do Porco? Pelo que li na reportagem da referida publicação é tudo ideia do senhor Presidente, sobretudo porque baseou a sua ideia na Feira dos Santos e nas toneladas de fêveras que ali se vendem e o substrato cultural que apoia tal ideia é as diversas maneiras como o porco é olhado pelas diferentes religiões do planeta e pela literatura…
Quanto ao local onde o senhor Presidente pretende instalar o museu do porco não haja dúvida que é muito bem escolhido: “o palacete da GNR”, até porque tem um espaço envolvente e uns belos jardins…até porque dá para fazer um restaurante onde se servirão pratos, sobretudo de carne de porco…resta saber quem será o brilhante “chef de cuisine” que será contratado…Será que o cozinheiro acumulará as funções de Conservador do Museu?
Bem, é normal nos diversos museus haver a “loja de souvenirs” onde se vende produtos relativos ao que é exposto. O senhor Presidente não falou nesta vertente, mas é natural que se venha a criar essa loja e aí possamos encontrar objectos como porta-chaves com a forma de um chispe ou belas fotos de varrascos campeões ou de belas porcas parideiras…
Tenho para mim a certeza que os mangualdenses e os turistas preferiam ver o Foral do Conde Dom Henrique e de Dona Teresa e o Foral de Dom Manuel, o 1º, do que visitar um qualquer espaço com o nome pomposo de Museu.
Mas eu admito estar errado, se calhar é melhor que os forais não sejam vistos por ninguém e se mantenham algures nos arquivos da Câmara Municipal até que se percam ou deteriorem em definitivo…
Falei desta ideia a um amigo meu que por sinal é ateu e o que ele me disse foi apenas isto: Valha-me Deus…
Em definitivo é para mim tarefa ciclópica e é necessária uma beneditina paciência para perceber e compreender o tão sofisticado pensamento cultural do senhor Presidente.
 
01 dezembro 2008
  Por terras de Guimarães de Tavares
Nas belas terras de Guimarães de Tavares donde se avista uma paisagem extraordinariamente bela sobre a Serra da Estrela existiu, por volta do século III da nossa era, ocupação romana. Pelo menos são as conclusões retiradas da campanha de escavações levadas a efeito por Clara Portas, Marques Marcelino e pelo saudoso e meu grande amigo Fernando Daniel.
O espaço de que falo é localmente denominado por Quintas do Costa.
Foi, de facto, no longínquo ano de 1983 que esta equipa procedeu a escavações, liderando na altura uma equipa de jovens que não se perderam para estas coisas da arqueologia, pois muitos deles vieram mais tarde a participar nas escavações da citanea da Raposeira, em Mangualde.
Na época romana era natural e usual que os senhores vivessem na villa (casa grande) e esta era mais ou menos luxuosa, dependendo obviamente da maior ou menor riqueza do proprietário. Ao lado, perto, existiam as habitações destinadas aos criados que serviam a casa e cultivavam os terrenos agrícolas do senhor.
Foram estas habitações da criadagem que foram postas a descoberto naquele Verão de 1983, nas Quintas do Costa. Ficou por detectar a villa nas proximidades…
A par das estruturas expostas foi encontrado e recolhido diverso material: cerâmica diversa, Terra sigillata (louça fina de ir à mesa, sobretudo em dias especiais), pesos de tear, uma mó manuária, ferros oxidados, alguma escória.
Perto desta estação arqueológica passa a via romana que apresenta ainda um, troço lageado bem conservado.
 
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar