NEOARQUEO
17 junho 2007
  Estrada da Época Liberal: Viseu/Mangualde














Em Abril do ano passado, o Zel, do Blog Roda de Pedra, publicou nesse seu espaço as fotos da Via Romana de Roda. O meu amigo João Ferreira, que me orientou geograficamente, forneceu-me elementos bastante interessantes que recolhi e vos trago agora. Trata-se de facto de um troço muito bem conservado da Via Romana que vinda de Viseu se dirigia a Mangualde. Terá sido esta via utilizada durante a Idade Média? E durante a Idade Moderna? Bom, não sabemos. Porém, é interessante verificar que um pouco mais acima, no seguimento desta via, se encontra um troço cujas características deixam antever uma calçada duma fase bem mais recente da História. A foto mostra-nos claramente o troço e a maneira como foi construído: o eixo da via marca a centralidade da mesma e é daí que irradia toda a construção, em pedra miúda. São características totalmente diferentes das calçadas romanas. No cruzamento desta via com a actual estrada da Roda /Mangualde podemos observar um Marco, em granito, que identifica esta antiga via, e reza assim:” Estrada para Mangualde Ano de 1820”. Bem, se esta via não é da época Liberal, foi pelo menos utilizada naquela altura.
Não restam dúvidas que estamos perante a antiga estrada de Viseu/Mangualde, que na zona de Fagilde mete à Roda e daqui para Mangualde. Poderemos, de alguma forma, afirmar que a ligação mais importante de Viseu a Mangualde se fez por este trajecto e que é antiga desde o tempo dos romanos, Idade Média e Época Liberal?
Ficam estes testemunhos que alguma história nos contam…Deixo-vos as fotos…A 1ª foto é da Via Romana.
 
05 junho 2007
  Carvalha Gorda – Mais um Monumento na Base de Dados Nacional do IPA. CNS 24709
Foi também a 26 de Junho de 2006 que, a par das duas estelas funerárias, enviei ao IPA (Instituto Português de Arqueologia), Extensão de Viseu, um processo idêntico sobre a sepultura escavada na rocha da mesma aldeia: Abrunhosa do Mato.
Também este monumento se encontra já na categoria de monumento arqueológico, devidamente identificado e classificado pela entidade referida. À sepultura coube o número CNS 24709.
A minha alegria é enorme. Por várias razões:
1ª - Foi no longínquo ano de 1985, altura em que co-realizei o Levantamento Arqueológico do Concelho de Mangualde, que descobri esta sepultura.
2ª – Fiz a sua divulgação num trabalho académico apresentado à Universidade de Coimbra.
3ª _ Publiquei o túmulo no meu primeiro livro sobre sepulturas, bem como na 2ª edição.
4ª – Vai ser novamente alvo de estudo numa publicação que estou a finalizar para publicação, em breve.
5ª – A sepultura de Carvalha Gorda, bem como outras da Freguesia de Cunha Baixa, faziam parte de um projecto de Limpeza e Requalificação dos monumentos da Freguesia, submetido por mim à Junta de Freguesia citada. Quanto a esta razão não posso saltar de alegria, pois não foi concretizada por falta de interesse da Junta.
Na realidade, em Abrunhosa do Mato não abundam os monumentos históricos, assim, e de uma assentada estão lá 2…
Mais notícias darei acerca deste monumento e de outros desta aldeia. É que como me disse um amigo meu: quem vir o teu blog e ler o Notícias da Beira há-de julgar que esta aldeia é um Museu Vivo. Eu respondi, não é, mas podia ser…
 
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar