NEOARQUEO
08 janeiro 2011
  Para Reflectir...comentando, claro
"A desvantagem dos homens não conhecerem o passado é que assim não conhecem o presente. A História é a montanha ou o ponto alto donde homens solitários vêm a cidade ou a época em que vivem". CHESTERTON

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Há dois filmes que gostei muito de ver que não sendo de “História” retratam a falta que a memória faz, quando tiveres oportunidade vê(revê) o Paris Texas ou The Bourne Identity.
 
Parece tão lógico que quase se torna uma verdade de "La Palisse". Se não souber de onde venho como posso ousar saber para onde vou? As verdades que sabemos hoje estão alicerçadas, na sua maioria, no passado. Algumas serão futuro. Outras pelo passado que o presente de hoje se tornará,irremediavelmente, se modificarão.

Continua. Um abraço
 
Todo o presente tem um passado e todo o futuro passa, necessariamente, por um presente.
Muitas vezes é o passado que dita o presente e o presente que ditará o futuro. A história, boa ou menos boa, é inalterável. è bom que se pense nisto no presente.
 
Engano: Ná última frase onde se lê è... deverá ler-se É...
 
As origens do homem são difíceis de precisar, mas, de um modo geral, admite-se que os nossos antepassados começaram a diferenciar-se dos macacos, seus primos, há 5 ou 6 milhões de anos. Foi, efectivamente, nessa época que o nosso longínquo avô deu os seus primeiros passos. Isolado na savana seca, no leste da África, teve, ao contrário dos seus primos que viviam nas árvores da floresta equatorial, de adaptar-se a um meio diferente e alterar o seu estilo de vida. Modificações decisivas na anatomia das ancas e dos pés permitem-lhe, então, manter uma postura vertical e caminhar erecto. Há cerca de 1,5 milhões de anos, aparece uma espécie mais evoluída. Nascida em África, vai conquistar o mundo. Esta espécie, que se nos assemelha em altura, peso e capacidade craniana, fabrica utensílios e inventa o fogo. Há 40 mil anos, o Homo Sapiens sapiens completa a colonização do mundo, chegando à Austrália e atravessando o estreito de Bering para conquistar a América. Este homem que fala e que enterra os seus mortos é muito parecido connosco. Já só lhe falta cultivar plantas, domesticar animais e construir cidades, coisas que mais tarde, viria a concretizar. Foi então que começou o princípio do fim...
 
Memória - Faculdade que o psiquísmo possui de conservar e trazer ao presente os conteúdos de vivências passadas(...)
História - Narrativa ou relato cronológico de ocorrências, simples ou complexas, do passado da Humanidadee dos factos sociais, económicos, intelectuais, etc., que influenciaram a sua existência até aos nossos dias. Todavia esta vasta gama de factos que informam sobre o passado e a situação subjectiva que tenta ordená-los e apresentá-los sistemáticamente, cria dificuldades por vezes insuperáveis. Como exemplo destas dificuldades temos o estudo da origem da sociedade, que é práticamente impossível devido ao desconhecimento da escrita pelos primeiros homens, que comunicavam apenas oralmente as suas experiências e os acontecimentos que eram úteis para a sua sobrevivência. Por esta razão e devido ao longo período que mediou entre a formação das sociedades e a descoberta da escrita, os conhecimentos sobre a História dos primeiros homens são exíguos e só possível saber algo sobre este período através do estudo da Pré-história, que incide apenas sobre a investigação dos monumentos, armas, necrópoles, utensílios domésticos, locais de habitação e pinturas rupestres. Daí a importância de trabalhos de investigação e divulgação como aquele que o amigo António Tavares está a efectuar. Obrigado!
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar