NEOARQUEO
09 janeiro 2011
  E UM PASSEIO HISTÓRICO?
Em 1930 alguns tinham o privilégio de viajar neste belo Bugatti. Hoje pode ver-se e apreciar-se esta bela máquina. Há no mundo quem ainda possa viajar nesta relíquia, eu já ficava contente se tivesse a possibilidade de dar um, nem que fosse curto, passeio...a conduzir claro!
Apreciem e revelem as vossas fantasias...
PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Bem... trocava um dos meus por um destes... na boa!
 
O que eu não daria para ter um bólide destes!
Belo momento de recordação da nossa História. Parabéns pelo Blog, é diferente.
 
Que maquina! Já viste quantas damas sacavas na época desse bólide e ao seu volante? O tempo volta sempre para traz, agora, com essa “bomba” sacas ainda mais.
Tenho que tirar o chapeu e citar o meu amigo Dr. Santos "o meu amigo é um clássico…"
 
Este carro é um "caça loiras".
Que pinta!...
Que jantes!...
 
" E eu a velos passar"

Quem não se recorda desta frase, que se tornou celebre num dos comerciais da nossa TV.
Os carros eram e são uma paixão. O que agora não importa, valorizaremos um dia mais tarde.
Quem não gostaria de ter, em bom estado de conservação, o seu primeiro carro. É tudo uma questão de espaço, dizemos, mas... Sabe sempre bem recordarmos os bons velhos tempos.

Lindo carro!!!!!! Que histórias terá ele escondidas entre os seus bancos?
 
OLHA!!! Até parece o meu bolid...
 
Não querem comparar ísto ao meu Seat Ibiza 1.0 pois não??
O meu é que é uma maquina!
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar