NEOARQUEO
10 dezembro 2005
  MERIDA - Capital da Província da Lusitania

Do longínquo tempo da ocupação Romana na Península Ibérica restam ruínas espectaculares que testemunham o quão grandiosa foi a presença daquele povo entre nós. No Império Romano a Hispanea dividia-se em provincias. A Lusitania estava confinada do rio Douro até Faro(Ossonoba) , no algarve e estendia-se de Salamanca (Salmantica) até Merida (Emerita Augusta) na actual extremadura espanhola, e ía até aos confins da terra (finis terrarum), donde começava o desconhecido Oceano.
Mérida (Emerita Augusta) foi fundada no ano 25 a.C. pelo Imperador Octavio Augusto. Esta cidade, Património da Humanidade pela UNESCO, era a Capital da Lusitania e exibiu o esplendor da civilização romana na Peninsula Ibérica. As ruínas monumentais da antiga Emerita Augusta estão paredes meias com o casario da actual Merida. O Teatro Romano, que exibimos na foto é o testemunho mais imponente da importância daquela cidade. Nas esqueçamos porém o anfiteatro, ao lado; a casa de Mitréu, o Aqueduto das águas, a ponte sobre o Guadiana, o Circo, A Barragem de Proserpina, enfim... Convido os meus amigos leitores e comentaristas a fazerem uma visita àquela cidade. Aproveitem as próximas férias grandes. Esqueçam um pouco as àguas da praia e vão visitar Mérida. Vale a pena...digo-vos eu que já lá fui três vezes e sempre descubro novos cantos e recantos de extraordinária beleza. E depois é a tal História: então os Romanos viviam assim na "nossa Lusitania"? Se calhar os Romanos não eram assim tão loucos como dizia o Asterix, ou eram?
 
<$Comentários$>:
O meu amigo TSFM está a mardar-nos a Mérida mas é pelo apreço que tem por nós :-). Digo-vos que um dia, no ido ano de 1997 (se a mem+ória não me falha), o meu amigo "mandou-me" a Mérida aosaber que me encontrava perto daquelas paragens. Fui. E confirmo tudo o que aqui é dito. Soberbo. Vale a pena.
 
Gostei...devo visitar quando tiver um tempinho livre... se puderes dá um salto ao sattellite...
 
Para quando um farnel na mala da viatura e uma visita a essas paragens? Vai pensando nisso, que eu conheço uma ave que se lesse este Blogg, já estava com uma esferográfica a riscar o monitor, a citar Lúcios Cornelius e a programar uma passeata a esse local.

UMA BOA NATALADA!!!
 
Bem haja pelo convite, realmente seria bom como outro amigo referiu uma boa merenda a acompanhar.
Festas Felizes.
 
Boa dica! É aqui bem perto de Lisboa.

Se calhar vou lá ver o que é que os "malucos" dos romanos andaram por lá a fazer.

Como usulamente faço férias de verão junto a V. Real de Stº António, se calhar também vou conhecer Cordoba. Ai que calor...
Acho que há por lá muitas coisas arabes. Deve ser interesante.

Uns deixaram-nos a lingua...
Os outros a picota...
:-)
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Alex, se vais a Cordoba, não deixes, obrigatóriamente, de ir a Granada. Aí, sim, terás o prazer de ver uma das grandes marcas do "àrabe" na Peninsula Ibérica.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
É um sítio de encantos, estou certo!

Porque será que nós, Portugueses/Portugal, não temos o prazer de ter um sitio semelhante a este ou no género?

Será que já sabiam ler a sina... e... Leram a nossa já nessa altura?

Será que tem uma explicação Histórica? Ou simplesmente destruímos tudo o que nos parecia um futuro sítio de turismo?
(É que para fazer turismo, já cá está o Portuguesito!)

Felices Fiestas!
 
Terreiro, também temos por cá bons exemplares da ocupação Romana, provavelmente não tão grandiosos, não enchem tanto a vista; lembro-me de Conimbriga, Mirobriga (Santiago do Cacém), entre outros, mas não te esqueças, MERIDA era a capital da Província, e tal como hoje, capital sempre é capital...
 
es um cabrao
 
filho da puta
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar