NEOARQUEO
07 fevereiro 2006
  Via Romana de Mourilhe...a ROMA

Sabemos bem da importância das estradas para o desenvolvimento dos países, dos povos, das economias. Hoje é assim, no passado foi igual. O Império Romano expandiu-se na sua total plenitude (geografica, política, administrativa, economica e culturalmente...) precisamente através das estradas que construiu a partir de Roma. É bem conhecido o ditado que todas as estradas vão dar a Roma; vem deste empreendimento fantástico que foi a rede viária por toda a Europa e Norte de Africa que os Romanos construiram.
No Concelho de Mangualde existem alguns troços dessas estradas. Hoje apresento aos meus amigos leitores e comentaristas o troço da via de Mourilhe, Freguesia de Mesquitela, (Mangualde). Passa junto à capela de São João. É talvez um dos mais belos e bem conservados troços de calçada romana do concelho. Mede na sua extensão cerca de 50 m e apresenta uma largura de 5.60 m. Fazia parte da via que, passando por Mangualde, seguia pelas povoações actuais de Mesquitela e Mourilhe, continuando por terras da Freguesia de Santiago de Cassurrães, para depois galgar o Rio Mondego.
 
<$Comentários$>:
Todas as estradas vão dar a Roma e quem tem boca também lá chega!
 
É um magnífico exemplo de via Romana.
Outros peq. Troços existem ainda no nosso concelho, pena é ainda não terem sido olhadas de outra forma.
A preservação das vias Romanas em Mangualde é URGENTE.
 
O amigo TSFM tem toda a razão, o ditado é o inverso da realidade, todas as estradas saíam de Roma e foram construídas nesse sentido. Actualmente a nossa autarquia até tem andado a trabalhar um pouco nas vias publicas, porque se continuasse tudo como estava as nossas estradas estavam piores que uma estrada romana mal preservada. Quanto á recuperação dessas vias (as romanas) eu não sei muito disso, mas as poucas que conheço estão apresentáveis.

PS – Recuperação das vias Romanas não é o mesmo que recuperar a vias aéreas da cantora pimba.

Um abraço
 
não me diga que esta rua também vai dar a Roma?! :)
 
Existem muitas calçadas a que toda a gente apelida de romana e que são medievais e até modernas. Estão em relação directa com as pontes "romanas", por vezes construídas no século XVI. Eu desconfio sempre muito das calçadas constituídas por rampa. Neste caso o Amigo saberá melhor que este comentarista atento e sempre disposto a ajudar veículando a sua opinião num sentido construtivo.
 
Caro idanhense

de facto existe muita confusão entre vias romanas e medievais. o mesmo acontece com a acerâmica comum e as tegulae.
No entanto não devemos desconfiar das calçadas em rampa, pois os romanos apenas usavam este tipo de pavimento nas inclinações. Eu desconfio sempre quando me apresentam uma calçada "dita romana" numa planície.
 
Sabe porque desconfio?

Sempre houve a necessidade de calcetar as rampas para que os agentes atmosféricos, as chuvadas, p. ex., não abrissem valas que tornassem intransitáveis tais tramos. Não quiz dizer que essa não seja romana, apenas fiz uma chamada de atenção, alicerçada em muita experiência e muita cautela e bom senso.
 
Esse troço é romano. Já o vi implantado um mapa de estradas romanas e pareceu bastante coerente.
A única coisa que lhe falta é ter as placas de sinalização.
 
Livra, que isto é que é um estudo aprofundado da nossa (sua) região. Aprecio e continuo a gostar de ler e dou os meus parabêns por tal facto! (sempre fico a saber mais dum concelho onde já trabalhei e que pelos bistos, cada vez tenho mais amigos e conhecidos.)

Cumprimentos e Larguras SpOOOOOrtinguistas :-)))
 
Na minha vila de Fornos de Algodres, existem dois trocos de calcada que afirmam romanos; um e num plano e outro inclinado, alem destes havia um outro tambem inclinado, hoje enterrado pela nova avenida 25 de Abril. Creio que acharam que dois estava bem, tres e demais.
 
caro idanhense

as calçadas mais recentes que foram feitas por norma têm um sistema de drenagem e o pavimento é muito diferente do romano. os romanos tinham regras para tudo e também para as vias.

Caro al cardoso

a via da planicíe que refere é aquele que está sinalizada à entrada de fornos quando se vem do lado do seminário menor? se for penso que aí o motivo do calcetamento deverá a humidade dos solos.
 
Mourilhe... onde tive um acidente que me pôs a andar à roda (parecia a lotaria!)
 
Caro Pina Nobrega:
Quando me referi as vias de Fornos, era na esperanca de me poderem dar uma certeza, se eram indiscutivelmente vias romanas.
Sim a via a que me refiro e essa que o amigo alude.
Bem haja.
 
É verdade, este cantinho está cheio de pequenas maravilhas.
Obrigado amigo TSFM pela publicidade!!
 
Como dia o nosso amigo, raramente me engano ou tenho dúvidas, qualquer dia não tens barriga para tantos jantares.

Se a moda pega.

Grande abraço
 
Desconhecia a existência de troços romanos em Mangualde este parece no entanto razoavelmente conservado e pelo menos está assinalado. Conheci em tempos um troço na aldeia de Famalicao da Serra, no interior da Serra da Estrela, que penso estar actualmente destruido! É impoirtante que a conservação comece nas próprias populações.
 
Se querem ver como se chega a Roma num instante espreitem em:
http://psoutinho.planetaclix.pt/
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar