NEOARQUEO
27 maio 2006
  A Anta do Penedo do Com...Penalva do Castelo


Por algumas vezes já saí do concelho de Mangualde para partilhar com os meus amigos leitores e comentaristas as maravilhas patrimoniais que se encontram por esta região. Porém, hoje é a primeira vez que “viajo” até terras do vizinho concelho de Penalva do Castelo. E faço-o para falar um pouco da Anta do Penedo do Com, que fica em Esmolfe, aldeia deste concelho. Este dólmen foi recuperado por iniciativa da Câmara Municipal daquele concelho, em finais da década de 90. Em boa hora o fez, veja-se a este propósito, e compare-se, as fotos que publico. Este sepulcro Neolítico está datado de cerca do ano 3000 a.C. Os Dólmens, termo de origem bretã que significa mesa (dol) de pedra (men) são monumentos funerários bastante frequentes em Portugal, particularmente na Beira Alta, Norte e Alentejo.
Os Dólmens, quanto à sua tipologia de construção e planta, assumem características próprias, podendo falar-se em regionalismos. Assim, na Beira Alta o característico é de câmara poligonal e corredor de acesso, este é um exemplo. É também comum nesta região haver pinturas e/ou gravações nos esteios destes sepulcros.
A Anta do Penedo do Com estava deveras destruída e para a sua reconstrução foi necessário por vezes a utilização de pedras criteriosamente seleccionadas nas redondezas. O monumento teve duas fases distintas de ocupação, conforme é atestado pelos materiais exumados, correspondendo a mais recente a um momento adiantado do Calcolítico. Se em Penalva do Castelo não foi identificado mais nenhum monumento megalítico, eles estão presentes nos concelhos limítrofes: Cortiço e Matança (Fornos de Algodres), Casa da Orca e Orca dos Padrões, ambos em Cunha Baixa (Mangualde) e vários outros exemplares por terras de vila Nova de Paiva e Aguiar da Beira.
O acesso a este sítio faz-se através de um estradão com início entre o 2º e o 3º Km da Estrada Municipal 570, que dirigindo-se para a “tapada do Monte” passa pela “Quinta da Ribeira Oronho e Ribeira de Sezures.
 
<$Comentários$>:
A beleza destas Pedras até embaça!
 
Sem dúvida, lord...
 
Caro ANtónio
Desta vez veio para o meu concelho.
É só para dizer que em Penalva talvez tenha havido mais Antas ou Dolmens na freguesia das Antas. Leite de Vasconcellos ainda se refere a esta eventualidade com base na memória do povo.
Próximo do Penedo do Com, mas junto a Esmolfe existe ou existia uma mamoa, que deverá cobrir uma anta.
 
Um lugar a visitar, sem duvida nenhuma.
A da Cunha Baixa (A.Norte) também está em boas condições.

Um abraço
 
Conheci antes da restauracao, nao ha duvida que fizeram um trabalho notavel.

Boa semana.
 
Não conheço. Fica o desafio.
 
Quem a viu e quem a vê!
Está linda a reconstrução e reabilitação dessa anta.
Em conversa contigo recordo-me de referires a existência de uma anta pelas proximidades de Espinho que também estava muito destruída e que já lhe faltavam elementos.
Se não estou equivocado, será que se pode fazer o mesmo que fizeram a esta?
Um abraço.
 
Por aqui as antas são muito mais pequenas e não possuem, é claro, essa monumentalidade. No entanto existem às centenas nas àreas imediatamente a norte do Tejo.
 
Alex, a Anta a que te referes é a dos Padrões e também já foi recuperada. farei um post daqui a uns tempitos.
 
Joaquim, bem-vindo ao clube dos "fotografados".
 
TSFM, ainda bem que assim foi. Quando poderes mostra-a sff. Nunca a ví.
Obrigado
 
Eh lá, que maravilha! e eu que morei e trabalhei um ano em Penalva do Castelo...ná a vi :-(

Bjs
 
já viram o que fizerem em conimbriga?
 
TSFM,aí na zona ainda existem mais Dolmens, como o de Vila Nova de Espinho e o de Vila Ruiva na estrada de SºJoão do Monte, mais conhecido por pedraça ou Póvoa.
Já agora da-nos uma explicação melhor sobre eles,quem eram os povos que os construiram? Alguns falam em Celtas, mas os Celtas chegaram depois verdade? Ou eram os nossos antepassados Lusitanos?
Ou seriam pastores nomadas, dado que se encontram pedras objectos de outras regiões como da serra da boa viagem,etc,etc.
Obrigado e um abraço.
 
Só hoje, e acidentalmente, encontrei o seu post sobre a Anta do Penedo Cum. De facto, o seu restauro, foi executado pela Arqueohoje nos anos de 1996/1997, por iniciativa da Câmara Municipal e num projecto apoiado pelo Programa Leader, através da ADD-Associação de Desenvolvimento do Dão.
No ano de 1983, enviei um processo completo para o Ministério da Cultura e para o IPPAR, solicitando a sua classificação.
Muitos pequenos objectos foram encontrados (contas, pontas de seta, cerâmica, etc)e encontram-se na posse da Câmara. Estão arrolados e era urgente a sua preservação em local próprio.
Como complemento, adiantarei que a anta tem esse nome, devido à existência de um enorme penedo (possuo fotografias da minha colecção particular) que foi cortado nos anos 50, para alvenaria calçada, tendo sido vendido po 5.000$00 pela junta de freguesia.
Cumprimentos
Gabriel Costa
 
Realmente o meu concelho é de mais...
É de uma história incrivel...
Ûma das coisas k m fascinam em Penalva é a Quinta da Ínsua...
É linda...
O noxo concelho é lindo...
 
A anta do penedro do com é linda e ao fim de estar restaurada ainda mais bonita já lá fiz uma visita de studo estive mesmo perto dela e é magnifica não sei como não foi considerada a 8º maravilha do mundo não há palavras para a descrever.
Com os melhores cumprimentos
a sr.paula.
 
A anta do penedro do com é linda e ao fim de estar restaurada ainda mais bonita já lá fiz uma visita de studo estive mesmo perto dela e é magnifica não sei como não foi considerada a 8º maravilha do mundo não há palavras para a descrever.
Com os melhores cumprimentos
a sr.paula.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar