NEOARQUEO
01 janeiro 2011
  As vindimas...O vinho...



Chegou Setembro, o mês das vindimas. Para trás ficou todo um ano de trabalho dedicado à vinha. Trabalho que compensa, umas vezes, outras nem por isso. Desde cedo o homem descobriu o prazer de beber vinho. O cultivo da vinha é velho de milénios. Já os egípcios se dedicavam à arte de fabricar vinhos que, a avaliar pelos relatos históricos, seriam verdadeiros néctares dos Deuses. Os gregos tinham Dioniso como o Deus do vinho. Baco era-o para os Romanos. Sem dúvida que é grande a importância desta bebida na nossa cultura. Para nós portugueses é justo que se homenageie o Marquês de Pombal com a Demarcação da Região do Douro…A ele se deve a expansão do Vinho do Porto, embaixador de Portugal no mundo. Estes paineis de azulejos retratam de uma forma magnífica o ciclo do vinho: o cultivo da vinha, a vindima e depois o transporte do precioso líquido para os mais diversos locais a fim de ser consumido. Agradeço penhoradamente a Eduarda Lima a oferta das fotos, e, à saúde de todos nós, bebamos um copo...

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.
 
<$Comentários$>:
Sao lindos sem duvida.

Algo nesse genero, ficava muito mais bonito naquela rotunda, na sua Mangualde, que uns monoliticos que em nada fazem lembrar o vinho e a vinha.

Mas isto digo eu, que nao entendo nada de arte contemporanea.

Um abraco amigo.
 
Um brinde

Ainda estou à espera que me convides para provar essa zurpa (carrascão) que andas a fazer na pipa de carvalho francês.

Um abraço amigo
 
Eu já o provei Alex e a pinga é boa, mesmo boa! Acho é que ele me deu a provar Quinta dos Roques :-)

Também vou fazer a minha vindima por estes dias. Depois lá vou ter que te pedir umas sugestões para estragar a pinga hehehehe.
 
Gosto das vindimas....
Quando era pequena e os meus pais tinham vinhas....lembro-me que se juntavam "ranchos de pessoas" para vindimar...


que saudades desses tempos....

Um beijo, meu amigo
BShell
 
Bebamos também à saúde do artista que pintou estes painéis de azulejo que a Eduarda Lima tão bem fotografou.
Onde podem ser vistos?

Cumprimentos.
 
Lindo Painel de azulejaria.

Ó jl, quanto ao vinho do T..v...r..s, bem … é mesmo bom e quando temos o prazer de ser convidados pelo amigo tsfm para provar “a pinga” é mesmo da sua colheita, não o tenho como mentiroso. Agora quanto a “tua” vindima, bem aqui é que me deixas na dúvida, ou não, certamente compras-te umas “vinhititas” lá para esses “ladecos”!!!

E já que tenho tantos conhecidos latifundiários, será que ainda tenho que comprar vinho?

Abraços
 
Belas fotografias, estas do Douro Vinhateiro, transpostas para os azulejos!!

Bom Domingo.

Carlos.
 
E um "copo" da pinga da Vidigueira e/ou Borba? Mais..a Sul..
Abraço
Paulo
 
São os painéis da estação da CP no Pinhão?
 
já agora aproveito pra dizer que voltei ao meu blog com novidades! as minhas pseudo-pinturas de inspiração pré-histórica :)

http://pedrascomvida.blogspot.com/
 
Pese embora já terem sido tiradas em 1999, no século passado, portanto, Eduarda Lima disse-me que serão da zona do Douro Vinhateiro. Provavelmente Pinhão como referiu Pedrinha Rolante.
 
Grande inspiraçao a do artista sim senhor o grupo com os canastros as costas e a tocarem nos instrumentos ( que ganda pinga!!!)
 
Os antigos só não tinham os sulfitos que o FM lhe mete aos quilos. Aí que sede...
 
Bebamos!

P. S. Que beleza, a que as fotos nos convidam.
 
Nesta época todos recordamos tempos antigos, em que o perfume e encanto eram outros


Nada melhor que uma boa pinga do Dão....dá saúde e força....


Bom fim-de-semana.....
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar