NEOARQUEO
16 dezembro 2006
  Marco Miliário de Vila Nova de Espinho

Os marcos miliários, implantados junto às estradas, serviam para informar quem passava das distâncias em milhas entre as localidades. Era desta forma, prática, que os Romanos tomavam conhecimento da distância que ainda tinham que percorrer para chegarem a determinado destino. São os precursores dos marcos kilométricos de agora. Porém, não podemos esquecer que vários desses marcos eram anepígrafos, isto é, sem inscrição, não cumprindo assim a sua função de informar o viajante. Já por diversas vezes neste espaço abordei alguns desses monumentos que existiram ao longo das jeiras romanas da antiga Lusitânia, concretamente nas terras que hoje fazem parte do concelho de Mangualde. Hoje apresento-vos um bloco granítico, cilíndrico, de diâmetro mais generoso na base que no cume. Tem no topo um bloco em forma de cruz com Cristo grosseiramente insculpido. Aparentemente o cilindro tratar-se-á de um marco miliário anepígrafo, dada a semelhança tipológica com outros e por se encontar numa localidade riquíssima em vestígios da ocupação romana: Vila Nova de Espinho. Porém, pode tão somente tratar-se do fuste que suporta Cristo crucificado. Fica a foto para apreciar...e comentar...
 
<$Comentários$>:
Caro António

É sempre dificil determinar nestes casos se se trata mesmo de um marco miliário ou do fuste de uma coluna.
Tenho optado por fazer referência aos miliários anepígrafes, mas ressalvando sempre o facto de poderem não ser.
Neste caso concreto penso que não se tratará de nenhum miliário, a via deveria passar afastada desse local. E atendendo que em VNE existem muitos vestigios arquitectónicos, deverá ser um fuste de coluna reaproveitado.
 
Que posso dizer? Apenas um resto de Bom Domingo pleno de bênçãos divinais!
...da....BlueShell...para ti!
 
Pode ser ou nao, a mim quer-me parecer mais, uma coluna encimada por uma cruz que pelo aspecto e rusticismo e conjunto bem antigo.

Mas sendo um miliario ou nao e um monumento que merecia melhor companhia, que um poste de betao e essa construcao de cimento.

Boas Festas.
 
Concordo com o Al. Que enquadramento!

Joaquim

Que raio se passa com os comentários do Beta que fico sempre à porta?
 
...já aprendi mais uma coisa hoje :-)
só é pena estar 'entaipado' entre a casota de tijolo e o poste de eletricidade...coisas de quem não sabe cuidar do nosso património.

Bjs :-)
 
Passei para dizer Olá!


BJS :) Uma boa semana
 
Caro Antonio:

Quero expressar-lhe pessoalmente os meus maiores votos de Boas Festas para si e todos os seus.
Um grande 2007 e o que lhe desejo tambem.

Espero reve-lo para o ano.

Um abraco de muita amizade.
 
VOLTEI!
- desta vez para te desejar um Feliz Natal cheio de Amor na companhia dos que mais amas. Fica com Deus.

Beijo
BLUE SHELL ( e do Mocho são também estes votos)

BIG KISS
 
Cuidado que naquela casita de blocos vivem os ABILHÕES!!!!

FELIZ NATAL PARA TODOS
 
Boa Páscoa!!

EHehhehehehe....Bjs

;-)
 
Saúdo a ideia de o mostrar aqui.

Há que divulgar. sempre.
Divulgar é meio caminho para a preservação.



Aproveito para deixar os meus votos de BOAS FESTAS.

Um beijinho.
I,
 
Boas Festas, Santo Natal e Próspero Ano Novo, são os meus sinceros votos.
 
Seja uma coluna, ou seja um marco miliario, tem concerteza o seu valor historico, é pena por isso, que se encontre volvido por um barraco de blocos e um poste de electricidade. Bom Natal
 
Feliz NAtal.
Um abraço.
 
António,

Muita Saúde e Amor para ti e a tua família neste Dia de Natal, e que os mesmos votos se multipliquem durante o ano de 2007!!

Abraço,

Carlos.

N.B. - Continua com as tuas aulas de História e Arqueologia!! :-)
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar