NEOARQUEO
02 janeiro 2011
  Dolmén de Rio Torto (Gouveia)


O Megalitismo sempre constituiu um fascínio extraordinário para todas as pessoas: é relativamente vulgar ver as pessoas que visitam estes monumentos com um ar de espanto perante tais construções. É relativamente vulgar, de igual modo, as pessoas perguntarem-se como foi possível o homem de há quatro, três mil anos terem construído aqueles espaços?! E, afinal, como foi possível, dada a inexistência de maquinaria, colocar o "chapéu" de 4 ou 5 e até mais toneladas sobre os esteios?!!!
Na realidade, todas estas questões inundam a mente curiosa dos visitantes de Dolméns. Estes sepulcros, indivuduais ou colectivos, que funcionavam em simultâneo como última morada e como local sagrado do homem do Neolítioco e da Idade dos Metais, preferencialmente do Bronze, são hoje um valioso testemunho da ocupação humana desta região beiraltina. o Dolmén de Rio Torto, junto à estrada Nacional 17 que faz a ligação de Gouveia a Seia, pode ser visitado, apreciado, admirado, fotografado pelos meus amigos leitores e comentaristas numa visita que um dia destes façam a esta paisagem da Serra da Estrela. Perto do Dolmén, existe um Bar, que espera por vós e onde se pode tomar um cafézinho e relaxadamente dar dois dedos de conversa ou meditar nos milénios de História que ao lado persistem.

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Amigo António, em primeiro lugar um bom Ano de 2007. Vendo estes monumentos da Beira Alta e do Alentejo, por vezes pergunto-me o do porquê de na Beira Baixa existirem centenas de monumentos megaliticos, mas sem a monumentalidade das outras duas regiões. Porque será? Diferenças culturais, económicas, etnicas?. Qual é a tua opinião?
 
Assim é que eu gosto!

A Arte da Arquitectura dos primórdios 'postada' logo no inicio do ano!!

Adoro Dolmens e Antas...nunca me canso de vê-los :-)

Bom ANo NOvo!

Bjs
 
Bem essa de tomar cafézinho não foste tu, concerteza ;-). Agora é mais chazinho!
Conheço o local e conheço outros exemplares espalhados por aí. Alguns até me foram "apresentados" por ti. Faço as mesmas perguntas e coloco as mesmas interrogações, deixando-me impressionar com o facto de tamanho calhau estar ali, naquele sítio, sobre os esteios, quando sabemos que não deve ter caído do céu.
A foto contra o sol, ao contrário do que dizem as regras, ficou porreira!
 
Sim... é impressionante!
Isso foi sempre uma "aflição" na minha cabeça de miúda pequena em tempos de liceu... e, como nunca ninguém me conseguiu dar uma justificação minimamente satisfatória (talvez para o secreto desejo da "coisa" ser mesmo envolta em segredos que ainda tardarão a desvendar) vim andando pelos anos fora a agradecer a existência destas incríveis obras que dão largas à imaginação de tanta miudagem que a cada dia a elas pode ser apresentada! :) (à gente menos miúda também, claro!)
Com o meu cão, costumavamos passear-nos por lugares assim... ele era um sujeito dado à exploração arqueológica! oh, se era!!
 
Caro Antonio:
Isso e que e os dolmens da nossa Beira Alta tem em si um grande divulgador.
Agora a brincar, so ainda nao referiu os os meu municipio, mas dira para isso esta voce!!!
Tambem e muito boa ideia um cafezinho principalmente agora que o frio do inverno aperta.

Quanto ao amigo Joaquim:
Tenho uma ideia que pode ou nao ser certa; como na Beira Baixa impera mais o xisto que o granito, essa deve ser a razao dos megalicos ai nao terem a monumentalidade dos da Beira Alta, sera?

Um abraco aos dois.
 
Olá António!

Como sabes tenho tido dificuldades em conseguir colocar comentários no teu blog. Será desta que te consigo desejar bom ano?
Vou tentar.

Tenho que ir visitá-lo (e a ti também)

Um Abraço
 
Excelentes fotos.
Registei a informação para por lá passar num passeio futuro.
Um abraço.
 
É um bonito exemplar sem dúvida, e as fotos ficaram excelentes.
Já agora e para apimentar mais a coisa, vale a pena dizer que umas centenas de metros mais para os lados de Seia, existe uma casa amaldiçoada, cuja lenda diz que quantos lhe tentaram colocar o "chapéu" faleceram misteriosamente e tudo o que lá tinha sido colocado vinha parar ao chão... ao contrário desta cujo chapéu lá continua, orgulhosamente firme e hirto!

Bom ano para o T.S.F.M. incluindo a própria M.
 
De facto os monumentos funerários pré-históricos revelam-se fascinantes e de grande interesse.
Mais impressionante do que as técnicas usadas para formar a câmara sobrepondo pedras de dimensões e peso incriveis, é a distância de onde elas eram trazidas. Em alguns casos pensa-se que vieram de distâncias na casa das centenas de Km's.
Um bom ano
pedrinha rolante
 
Excelente foto, parabéns ao seu autor.
Em minha opinião, o Homem como ser inteligente que é, tanto para o bem como para o mal, sempre conseguiu e sempre conseguirá, arranjar soluções e adaptações às suas necessidades, independentemente dos tempos em que vive.
 
ESpectacular, meu....
Hei-de lá ir um dia destes. Obrigada!
Beijosssssssss,
BShell
 
Gostei de ver, até porque passei 8 anos da minha vida em Gouveia (a estudar um bocadito). Este tipo de monumentos megalíticos sempre me fascinou, uma época que me desperta o sobrenatural, os deuses dos grandes martelos e o fascínio da noite escura.
Não explicar, mas que gosto! gosto!
Um abraço e um bom 2007
 
Passei para desejar óptimo fim-de-semana e apreciar esta interessante página, onde impera a qualidade e bom gosto.
 
Olá ,Amigo,tá bom? Gostei das fotos porque têm verdadeiramente qualidade. M bonitas! Quanto ao monumento...esse e tantos,tantos outros,são tb a minha paixão.Uma paixão dolorida por constatar a pouca importância que certas autoridades atribuem aos documentos históricos "vivos" ou melhor a estrebuchar moribundos por este País fora.E são tantos que até mete dó...Ainda bem que se dedica a trazê-los à vista,ou seja á nossa memória.Obrigada por isso.Desejo-lhe um bom 2007.portasempre
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar