NEOARQUEO
22 janeiro 2007
  Vestígios arqueológicos de Espinho

Nos últimos quinze dias, alertado pelo meu amigo e amante destas coisas da História e da Arqueologia, João Ferreira, visitei a aldeia de Espinho, da Freguesia do mesmo nome, aqui no Concelho de Mangualde, para que visse uma estela funerária que por ali existia. Desloquei-me à referida povoação e lá fui dar com ela, isto é, com parte dela. Efectivamente, colocada sobre o ombral da porteira de uma casa, lá está a estela funerária, provavelmente medieval. Falta-lhe espigão, exibe apenas a "palmatória" onde se pode ver uma cruz em alto relevo. A cruz, entre outros temas, era o motivo mais frequente a decorar tais cabeceiras de sepultura. Colocando-a no referido ombral, presa a este por cimento, virada para a rua, para que os transeuntes a possam ver e admirar, foi a forma que o proprietário encontrou para preservar tal testemunho histórico; fê-lo certamente por achar bonita, interessante, fora do vulgar tal pedra e talvez não por saber na realidade qual o verdadeiro sgnificado desta. Fez bem: preservou e expôs ao "público". Os detalhes métricos e técnicos não são importantes de referir neste momento. Já publiquei neste blog um artigo técnico sobre cabeceiras de sepultura (Dezembro de 2005). Deixo-vos a foto para admirardes.
 
<$Comentários$>:
Bem haja por no-la divulgar, e parabens ao senhor "proprietario".

No meu concelho, tambem andava uma identica aos "baldoes" ate que um clerigo local mandou fazer um pequeno monumento onde a colocou, isto na decada de trinta do seculo passado.
 
ola António

Em que sitio de Espinho foi. Como deves saber não existe propriamente uma localidade denominada Espinho. Existe a Póvoa, a Abadia, o Outeiro e Vila Nova.
Em Vila Nova vi várias cabeceiras nas paredes e nas ruas, além de outros vestigios arquitectónicos.
 
Pedro, uma pequena correcção: Espinho existe, quem vai de Cunha Baixa chega a Espinho, e à direita corta para a Póvoa; Atravessando Espinho e no final desta se cortar à esquerda vai dar a Outeiro e ali perto fica Vila Nova. a Estela está na localidade de Espinho.
 
Olá António

Sempre encontrei referências como que esse aglomerado junto da capela fosse também Póvoa. Aliás fosse o núcleo original da Póvoa.
Se reparares até nas cartas militares vem sempre Póvoa e não Espinho como nome de localidade.
Mas pronto. Já sei mais ou menos onde está a estela.
 
Interessante, como sempre ;-)
Pena é não dar para perceber na foto o tamanho da estela funerária :-(

Bjs desenhados ;-)
 
«Bendita» blogosfera quando trás o conhecimento ao nosso encontro.


Bjs pintados! :)
 
Realmente parece inserir-se na tipologia de estelas funerárias medievais utilizadas por muitos mesteirais, onde os símbolos gravados indicariam o ofício do defunto.

Já agora não deixe de visitar o novo Caco em http://blog.ocaco.net
 
Estas questões mais técnicas não são possíveis de domina pela maior parte de nós, os que não têm formação específica.
Mas a admiração do que é belo e representativo do ponto de vista histórico já depende só da nossa sensibilidade para apreciar estes testemunhos que os nossos antepassados nos legaram e temos obrigação de zelar.
Um abraço tsfm e continuação de boas investigações.
António
 
Caro António Tavares.
Durante um curto espaço de tempo, mediado entre o seu "poste" e o presente, também já pode "regalar" a vista num outro achado, uma pomba "petrificada, ou "simentada" iternamente fixa em cima da estela funerária, mas não está só do outro lado do portão encontra-se um lião com a sigla SCP, será que a pequena e branca pomba, qererá ter pretenção a ser julgada como águia real do SLB. Vale a pena tornar a passar pelo local. Caso esteja interessado enviar-lhe-ei a foto.
Cumprimentos João Ferreira
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar