NEOARQUEO
08 julho 2007
  Opressivamente entricncheirada...

O engenho e a arte, tal como dizia Camões, faz o Homem adapatar-se à Natureza; faz a Natureza adaptar-se ao Homem.
Este aproveitamento de duas descomunais rochas fez nascer ali, em Terras de Tavares, uma construção interessante. Esta prática de construir aproveitando as condiçoes do terreno, o relevo, os acidentes geográficos é muito antiga. Há vários exemplos (de ruínas, na maior parte dos casos) deste tipo de atitude humana.
Existem castelos (restos) que consistiam apenas em muralhas grosseiramente construídas entre pedregulhos e que assim os uniam; estava assim, e de uma forma rápida e eficaz, edificada uma "fortaleza", cujo objectivo era essencialmente o de defesa. Por este país fora, no nosso concelho, nos concelhos vizinhos, são vários os vestígios arqueológicos que testemunham esse tipo de construção. Ora, o Homem na sua evolução mantém estes elementos de continuidade ao longo dos séculos. E ainda bem, é caso para dizer, pois se se pensa que a evolução humana é rápida desenganem-se: é lenta...muito lenta. É da constante e repetida assimilação dos elementos das suas origens que o Homem...avança.
Caros amigos leitores e comentaristas apreciem esta relíquia (que ainda não está em ruínas) da arquitectura rural: uma casa opressivamente entrincheirada entre morros graníticos!...
Não poderá nunca ser candidata às 7 maravilhas do mundo, ou tão pouco às cá do burgo...porém, faz-nos reflectir, faz dar um passo "a trás" para consistentemente dar-mos dois para a frente...
 
<$Comentários$>:
Caro António:
Belo exemplar da arquirectura rural da região!
Como diz, o aproveitamento de penedos em construções é aqui muito frequente (aliás, desde a pré-história): em fortificações, casas e outras construções rurais (palheiras, ...), igrejas, ...
Esta simbiose entre o natural e o construído é uma das características da paisagem granítica da Beira que mais aprecio e que bem merecia ser mais estudada e divulgada.
Parabéns pela lembrança.
Um abraço,
 
ola amigo Tavares.
excelente foto.
sinseramente desconheço o sitio, falha minha, se me puder esclarecer agradeço
um abraço e boa semana
 
Amigo João, fica na estrada nacional de Fornos para Chãs, do lado direito. Penso que fica na aldeia antes de Chãs.
 
TSFM,
«entricncheirada» ??

«Opressivamente» lembrou-me logo Sócratino. Sei lá porquê...LOL

Agora a sério:
Um Monumento, qt a mim.
Fantástica construçºao!! ;-)


Nota- ná percebi lá aqulea coisa das meninas avignonezas no ambiente Van Gogiano?

;-)


Bjs
 
"sinseramente", quis dizer sinceramente.
obrigado Tavares, quando puder irei visitar
um abraço
 
Maravilhas esquecidas...
 
As maravilhas que vamos descobrindo quando nos dispomos a observar o que nos rodeia, tão simplesmente.
A questão é que, a maior parte de nós, em variadíssimas fases da nossa vida, envolvemo-nos em preocupações de toda a ordem, quantas vezes, completamente irrelevantes. E assim vamos acompanhando o Tempo e a deixar que ele passe...por nós, pelas coisas.
Um bom observatório, amigo Tavares.
Para reflectir sobre o que é que queremos fazer com o nosso tempo de vida. Somos um elo da evolução? Quem somos nós? O que comanda a vida?
Será a evolução desmedida, impensada, interesseira, a razão da Existência? Existimos mesmo?
...
Cá vamos andando!
António Nunes
 
Sulista, "sócratino"?
Se te referes ao colaboradores de Socrates não é assim que se escreve é "Sócretinos"!!


Cumps
 
A necessidade aguça o engenho e a imaginação dá-lhe cor. Efectivamente, uma das regras para a economia da construção é tirar partido dos materiais da região e esta foto não deixa dúvidas que assim foi.

Um abraço aqui da Raia
 
Muito interessante sem duvida, exemplos identicos podemos aprecia-los em toda a nossa granitica regiao!

Um abraco f.algodrense.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar