NEOARQUEO
07 janeiro 2011
  A linha da vida...

As idas...as vindas...as partidas...as chegadas...as malas...as bagagens...as esperanças...as desilusões...as lágrimas...os risos...as Primaveras...os Outonos...o nascer...o viver...o morrer...o RENASCER.

A linha...as linhas...as paralelas...as que se cruzam...as que nunca se cruzam...as que passam ao lado...as que têm guarda...as sem guarda...as livres...as soltas...o RENASCER

O novo...o velho...o visto...o não visto...o doce...o amargo...o bom...o mau...o assim-assim...o RENASCER.

O cais...de embarque...de desembarque...o rápido...o intercidades...o regional...a estação...o apeadeiro...o RENASCER.

O encontro...o desencontro...o sim...o não...o talvez...a certeza...a incerteza...o sonho...o RENASCER.

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.
 
<$Comentários$>:
As linhas de coca... a rapidez... a vida a correr... o tempo... os atrasos... os comboios que só partem... outra linha de coca... mais desencontros... a linha da sina... mais encontros fora de horas... as linhas de água... a linha do horizonte... e por fim uma boa cabidela de ga linha.

Um abraço alinhado
 
que estação / apeadeiro é este? será a estação de mangualde?
 
yes
 
Juntar as cores na paleta e ... um acrilico bem puxado.
Isso sim!
Copiar a natureza é a esperança e o objectivo do Homem ... o artista sonha todos com isso e eis a perfeição.

Abraços
 
Fogo.......e tem a casa onde o meu avô morou e onde passei muitos verões em férias! vou guardar esta foto para recordação!
 
Terreiro,

juntarei as cores paleta...aceito o desafio. Penso que na realidade copiar a Natureza "foi" o objectivo do Homem, artisticamente falando...Penso, porém que a arte pode ser uma interpretação, uma visão, uma atitude psico-comportamental da mesma Natureza. Quando digo "pode ser" prefiro dizer "deve ser", pois o artista tem que deixar a sua "impressão" na tela. O artista tem que "intervir" na natureza...Tal como o homem no processo histórico intervém e transforma a natureza o artista faz o mesmo. Até na arte fotográfica essa intenção tenta ser captada. A minha foto que hoje publico tenta ser isso mesmo: a minha visão da estação de Mangualde, com a poesia que de alguma forma tentei deixar com palavras...
 
Respeito o esforço, embora nada me diga.
Nostalgias.......
Cumprimentos.
 
Este texto daria para uma grande reflexão!
O dia a dia é um renascer constante...
 
Este texto com tantas reticencias convida-nos a divagar... porque nao sonhar!?
 
Achei bastante interessante falar de palavras que todos os dias balbuçiamos sem qualquer nexo mas que no seu contexto gostei e parece facil ser escritor.
 
Quando chegar à cançela, não saia da linha. Pois pode aconteçer,que um desvio não dê para renascer.
 
Sr. Professor, António Tavares, ficamos surpreendidos por encontra´-lo aqui, e para mais com a sua fotografia.
 
a vida é curta,é preciso vivê-la intensamente com o pensamento na eternidade.
PêpÊ
 
Belíssimo poema... Uma tela magnífica de palavras!
 
Por momentos pensei que me tinha enganado no Blog...

Estás feito um Poeta, alêm de um excelente fotógrafo ;-)
 
Abrunhosa do Mato é mesmo uma terra de poetas.
 
Tens lá um desafio!
 
Que lindo por do Sol!!!

Cada um sabe as linhas com que se cose!

Um abraco de amizade e votos de Boas Festas.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar