NEOARQUEO
20 janeiro 2011
  Viagens na terra deles...

Apetece-me escrever sobre sítios onde já estive e, por incrível que pareça, sobre sítios onde nunca estive… fisicamente. E digo justamente desta forma, pois em espírito consigo descrever as sensações, os cheiros, as emoções, o pulsar, o calor, o frio, a humidade, as cumplicidades, as amizades, as brincadeiras, as saudades, as recordações, as presenças, as ausências de quem em sítios longínquos viveu por longos anos.
Refiro-me aos remotos locais de Angola. Digo remotos, pois Caringo, Fende, Gungue, Chirengo, Mundinda, Sacambuta, Sanjanja, etc, etc, etc, quem conhece???
Luanda, Huambo (ex-Nova Lisboa) são conhecidas por todos nós, da maioria de quem me lê por ouvir falar e nunca lá ter estado. É o que me acontece a mim quando cito os nomes que atrás referi: não conheço tais locais…fisicamente…Conheço sim muitas pessoas que por lá construíram uma vida cheia de sonhos, ilusões, pretensões…
Quase que descrevo as curvas, as subidas das picadas que ligavam os vários Kimbos. De tanto ouvir, com agrado, os contadores das histórias, as aventuras que muitas vezes eram apenas uma simples ida de camião de uma aldeia a outra para comprar milho aos locais, para vender bens que estes precisavam para o seu dia a dia…
Quase que vejo a poeira que se formava, inevitavelmente, atrás destes veículos, que quando teimavam em avariar era um caso sério…
Quase que sinto o cheiro da terra após as chuvadas intensas, tropicais, daquelas paragens. Quase que sinto o cacimbo que levemente se instalava com o cair da noite.
Quase que ouço o riso das crianças, o falar alto dos clientes do meu sogro, o tagarelar das mulheres que, no meio dos milheirais, cultivavam o cereal ou espantavam uma ou outra vaca para não danificar a cultura…quase…
Quase que conheço os segredos das tardes quentes e lânguidas dos domingos que, na sombra reconfortante, na companhia dos familiares e amigos, eram contados como histórias, por vezes hilariantes e que apenas ficavam na memória de quem as ouvia…

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Olá Compadre

A mente humana é fantástica... consegue descrever ao pormenor locais que os olhos nunca viram...

Gostei... acima de tudo porque deixas-te aqui uma merecida Homenagem a teu sogro e Amigo Jose Maria...

Um Grande Abraço da Alemanha.

Zé Marques
 
Apesar de ter regressado de Angola com apenas 10 anos de idade, tive o prazer de conhecer alguns desses sítios que citas. Essas pessoas, sensações, cheiros e cores que aqui descreves – recordo-os aqui com saudade.
Também tenho algumas fotos destes e outros Abrunhosenses, que, em alguns fins-de-semana, se juntavam para conviver. Recordo-me dos passeios ao Caringo, da estrada Huambo-Caála com uma recta de 20km às ondinhas que se fazia de prego quase a fundo. Também, das poeirentas picadas onde se caçavam as perdizes que se atravessavam à frente da janela do jipe. Das estreitas pontes de madeira onde mal cabiam os rodados, das caçadas nocturnas, dos “atascansos” nos sítios húmidos das picadas ou dos dias de chuva, das ribombar continuo e interminável das trovoadas, etc…
Confesso que gostava de lá voltar para poder sentir de novo essas sensações que tu, por simpatia, já quase interiorizastes por completo e aqui nos descreves. Penso que vale a pena. Nem que seja só para ver um breve pôr de sol em tons avermelhados. É lindo…
Por enquanto, e para matar saudades, de quando em vez, uso o Google Earth para visualizar com alguns destes sítios por onde andei durante a tenra infância.

Um abraço para tí e todos os retractados da foto.
Também faço minhas as palavras do Zé Marques (a quem aproveito para saudar com um abraço) “Gostei... acima de tudo porque deixas-te aqui uma merecida Homenagem a teu sogro e Amigo José Maria...”
 
A esses toponimos queria acrescentar: Quilenda, Quirimbo Assango, Conda, Mussende, Amboim, Gabela, Conde, Ebo, Quibala, etc, etc,......, que eu palmilhei por dez anos!!!

Caramba as vezes quero esquecer, mas nao posso!

Um abraco
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar