NEOARQUEO
08 fevereiro 2008
  Sinais judeus em terras de Trancoso...



Vinha de Pinhel a caminho de Mêda. O trajecto que escolhi, por ser o mais rápido e de boas estradas, passava no meio de algumas aldeias do concelho de Trancoso, daquelas que, pequenas em dimensão, praticamente despovoadas de almas, são velhas na idade e perdem as origens na bruma dos tempos.
Por aqui os Estios são estupidamente abrasadores que quase nos deixam sem poder respirar. Os Invernos são gélidos. Das outras estações quase que não vale a pena a referência pela temperatura, não fosse o verde dos campos e a queda suave das folhas castanhas que, lentamente, se deitam na terra, nas pedras das calçadas, por entre um ou outro suspiro de enfado ou de saudade de quem, quedo, assiste ao mesmo ritual da natureza., e não se dava conta da diferença.
Jovens não vi, apenas uma criancita que, ao ver-me parado dentro do meu automóvel e em conversa com um punhado de habitantes, os seus avós, se aproximou e, olhando para mim exibiu um sorriso cândido e desdentado, estendendo a caneca meia de leitei balbuciou: toma, bebe, é bom.
Foi neste quadro, simples, rural, bucólico, honesto, humano que dei por mim a pensar que vale a pena a vida, vale a pena saber quem são estas pessoas, saber o que os prende ali àquele...quase deserto, que se povoa apenas por altura do Verão, quando os filhos regressam de férias da França e doutros países e que na hora da partida fazem juras que aquele será o último ano que largam o resto da família e ficam, de vez, a dar vida às casas que, com o dinheiro dura e suadamente ganho, ainda não tiveram tempo de habitar.
Para outros, a vida tem o seu fim: ontem foi a enterrar um ancião desta aldeia que não fica nas estradas dos mapas de Portugal. A mágoa, a dor, a tristeza sentiam-se na atmosfera da aldeia de Vale do Seixo. O sino da Igreja, no mesmo ritmo de sempre, lembrava aos que ficaram, com as suas badaladas que se faziam escutar na aldeia de Carigas, logo a seguir, que a vida continuava, tinha de continuar...
Foi nesta toada romântica que, ao olhar para o lado, para a parede rude, num granito mal aparelhado de um baixo casebre, dei de caras com um dos símbolos que os cristãos-novos de Quinhentos insculpiam na pedra, mascarando assim a sua religião judaica. Trata-se da cruz no cimo do monte.
Fotografei o símbolo. O dono da Casa, guturando qualquer coisa fez-me entender que era, orgulhosamente, o dono daquela casa que, perante o interesse súbito da pessoa engravatada e de máquina fotográfica em punho, lhe pareceu ser por instantes um Palácio. Foi este o sentimento que o velho senhor, que não falava, exprimiu: nunca ninguém tinha mostrado tanto interesse naquela inscultura que ele já havia preenchido de tinta para melhor se fazer notar...
Junto da Igreja estava um homem, que distantemente, mas sem disfarçar a curiosidade, olhava de vez em quando para mim, para o meu andar pausado e inquisitório para tudo que fosse parede. Dirigi-me a ele e, pela informação já recolhida junto de uma prestável senhora, indaguei onde ficava a rua que tinha os ombrais e a torça da porta diferente das demais. "Ah.!!! Só se fôr aqui...mas isto não é uma rua, é uma quelha" - disse ele meio envergonhado daquela estreita e miserável canada que de um lado tinha casas todas em pedra e de escadas a desaguar nela. "Mas olhe que eu não sei do que fala", continuou ele. "É disto", disse-lhe eu já de olhos arregalados pela descoberta das tais pedras: estava perante um portal, não muito alto, em que à vista de todos exibia claramente uma torça e dois ombrais em granito polido pela mão do homem que, pelo manejo hábil do escopro, moldou uma entrada digna de uma outra qualquer casa, mas nunca daquela onde, entrincheirada por pequenas e reles pedras lhe enalteciam e lhe davam uma grandiosidade digna de museu.
 
<$Comentários$>:
Caro Tavares
Costuma-se dizer, cada macaco no seu galho. E o meu amigo aqui anda de galho em galho, não satisfeito de ficar a pastelar sempre no mesmo. Ainda bem. Sempre vamos tomando conhecimento de pormenores e vestígios de outros tempos, alguns que até estão bem à vista mas que a maior parte de nós nem os vê, sempre a olhar sem ver.
Na minha aldeia há lá uma casa em granito, muito antiga, com sinais de balas perdidas durante as invasões francesas, dissse-me em tempos o dono, que já morreu. Nessa altura nem me deu para tomar a devida nota. A verdade é que agora já não tenho interlocutor para descobrir pormenores da história daquela bala, que deixou a marca na pedra e ricocheteou para algures...
Um abraço
António
 
Ainda bem, que o meu amigo e daqueles que tambem cre, que esses simbolos identificam "cristaos-novos"!
Continua muita gente a defender, que esses simbolos sejam unicamente uma expressao de fe crista mais acentuada!
Essa do senhor dizer que nao sabia nada, tambem indicia muita coisa!

Um abraco dalgodrense.
 
O Amigo António Luís anda a fazer concorrência ao AlCcardoso!
Por Mmomentos pensava que estava no blog errado...
:-)
Tens conhecimento da existência de algum simbolo como este que mostras na Abrunhosa? Não sei porquê mas não me é estranho.
Um Abraço
Alex
 
Temos um diferente, mas contudo parecido. Diferente no tamanho e igual no desenho, só que em vez de ser insculpido é em alto relevo. Fica na Casa da Sra Agostina, que hoje é do João Almeida, perto do Jeff
 
Agora fiquei eu curioso, se nao fosse pedir demais, poderia o meu amigo Antonio colocar uma fotografia do tal simbolo em alto relevo existente na Abrunhosa do Mato?

Estou a espera de contacto seu para poder adquirir o seu livro sobre as "Sepulturas Escavadas na Rocha"!

alcard8@gmail.com

Um abraco de amizade dalgodrense.
 
Este comentário foi removido pelo autor.
 
Sobre a temática do património judaico veja-se a sugestão bibliográfica do Joaquim Baptista do "Por Terras do rei Wamba":
http://porterrasdoreiwamba.blogspot.com/2008/02/primeiras-jornadas-do-patrimnio-judaico.html

Nesta sugestão encontra-se um artigo sobre os cruciformes da vila de Trancoso.
 
Já agora gostava de saber o nome da aldeia, pareceu-me reconhecer a fotografia, mas não a consigo localizar
 
A aldeia é Vale do Seixo, perto de Cougula, no concelho de Trancoso.
 
Amigo Al, claro que colocarei a foto.
 
Este seu artigo é um artigo muito rico de conhecimentos, de sentimentos e de sensibilidade perante o nosso património.

Aqui no concelho onde habito, o de Oeiras, estou a lançar a ideia, pelas várias juntas de freguesia, no sentido de organizarem visitas guiadas, de curta duração, 3 ou 4 horas, a exemplo do que já faz a freguesia de Oeiras e São Julião da Barra, para dar a conhecer aos residentes, e não só, o património monumental e artístico de cada freguesia.

Um abraço

I.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar