NEOARQUEO
30 maio 2008
  Necrópole das Quelhadas
Hoje, vou deter-me um pouco sobre a Necrópole de Quelhadas. Trata-se de um núcleo de sepulturas escavadas na rocha, da Idade Média Alta mas, como já temos vindo a ver, a datação destes sarcófagos é bastante imprecisa quanto ao ano, ou melhor quanto ao século a que na realidade pertencem. Quem tem acompanhado os meus posts neste espaço sobre esta matéria, ou quem tem lido as minhas publicações sobre o mesmo assunto tem vindo a verificar que as datações deste tipo de monumentos é difícil, sendo, no entanto, aceitável, por razões cientifícas quer provenientes de escavações quer de outras, que há uma grande divisão cronológica para estes sepulcros. Segundo Alberto del Castillo, e que até hoje, apesar de várias argumentações pontuais em contraditório, aceita-se mais ou menos pacificamente que as sepulturas escavadas na rocha iniciam-se no século VI-VII e vão até ao século XI-XII. Por volta do século IX é quando se dá, segundo o mesmo autor, a grande transformação em termos tipológicos: de banheira passaram a ter forma antropomórfica. Esta é a grande teoria, acompanhada de nuances, incertezas, palpites, teorias mais ou menos rebuscadas, etc.
Assim, em 1985, por altura do Levantamento Arqueológico de Mangualde, eu e o Dr Luís Filipe Coutinho, referenciámos uma necrópole no sítio das Quelhadas, na Freguesia de Santiago de Cassurrães, logo à entrada da povoação de Aldeia Nova.
Este núcleo situa-se numa encosta virada a Sul onde os afloramentos graníticos e àreas vastas de terreno inculto alternam com terras férteis vocacionadas para as actividades agro-pastoris.
Bem lá ao fundo passa calmamente a ribeira de Marialva.
Não é dificil dar-se com o sítio: basta que se entre na Aldeia Nova e junto à Capela tome o trilho que desce até à dita ribeira, passando pelas Quelhadas.
Nesta estação detectámos 6 sepulturas escavadas na rocha. Actualmente não sei se todas existem, pois desde a minha última publicação sobre estes monumentos que não mais lá voltei. Todas elas apresentavam a mesma tipologia: antropomórficas, com cantos arredondados, quer nos ombros quer nos pés. Devo, no entanto, referir que a maneira como na altura (1985) as medidas e o levantamento de desenho e planta das sepulturas se fazia era de uma forma bastante mais arcaica que aquela que hoje necessariamente faço. Se, porventura, o tempo e a disponibilidae me deixarem lá voltar e fazer um novo levantamento tipológico das mesmas, com toda a certeza que vou encontrar pormenores que na altura não valorizámos e que podem levar a algumas considerações algo diversas. Porém, de uma forma geral e, sem preocupações em demasia de rigor técnico-arqueológico, interessa aqui revelar que existe este núcleo, e que importa a sua salvaguarda e protecção. Em tempos idos (2 a 3 anos) dei conta da importância de preservar este tipo de monumentos numa determinada Freguesia. Apresentei um projecto, que aliás foi publicado na versão on-line de uma reputadíssima publicação da especialidade, na revista "Al-Madan". A Freguesia em questão não valorizou o meu projecto. Eu, na minha condição de trabalhador assalariado e de arqueólogo nas horas vagas (poucas) procedi à limpeza e re-estudo das sepulturas dessa freguesia e passei os limites da mesma Freguesia e fiz o mesmo trabalho numa outra. Tudo custeado por mim, o que me pareceu mal, pois não gozei de umas férias mais pródigas...mas, a paixão pelas nossas coisas, pelo nosso património assim me obrigou. Não estou nada arrependido, antes pelo contrário; mal visto fica quem não tem a mínima sensibilidade por estas questões e tem responsabilidades governativas das freguesias.
O apelo que faço é junto da Freguesia de Santiago de Cassurrães: dêm lá uma saltada e vejam o estado da Necrópole, e depois se tudo estiver bem, muito bem, se não contactem-me, mesmo que eu não possa fazer o trabalho arranjo quem o faça. Mas desta vez não será a custas minhas. Desculpem lá.
Ah, importa ainda referir que a meio da estação se encontrava um enorme monólito, rectangular, com sinais de nele ter sido iniciada uma escavação para um sepulcro, ou para outra finalidade. O interesse deste monólito é fundamental, pois a destinar-se a uma sepultura, indica-nos uma das maneiras possíveis que os artífices tinham para as construir. Mais informações sobre esta estação arqueológica pode ser encontrada no meu livro "Sepulturas Escavadas na Rocha no Concelho de Mangualde" que se encontra à venda no posto de Turismo da Câmara Municipal de Mangualde.
 
<$Comentários$>:
Interessante esta partilha sobre esse achado que tem muito valor e é muito mais do que umas simples pedras escavadas! Tenho notado igual renitência no que toca à questão da arqueologia por parte da Câmara de mangualde ou do Concelho...não sei...tenho raízes aí nessa zona, e tenho visto muita coisa a deteriorar-se. Deixo testemunho um breve percurso que fizemos há uns dias por terras de Algodres, de Mangualde e não só.

Parabéns pela sua atitude e valorização do que é no fundo o nosso património.

http://teiadeariana.blogspot.com/2008/06/viagem-ao-passado-1-parte.html
 
sim, realmente todo o tempo que tínhamos vago, lá íamos nós, de GPS numa mão, folhas na outra, mochila às costas com ferramentas, entre elas, vassoura, pá, ancinho, bomba de tirar água, ...
Bem, andámos uns tempitos entretidos na LIMPEZA dessas sepulturas escavadas na rocha dessa freguesia que eu também conheço...

Sim, custeada por ti e pelo teu empenho em preservar aquilo que os nossos antepassados nos deixaram!!

Não sei se é genético eu também gostar de bater campo, explorar a nossa história!! Acho que não, aliás, tenho a certeza que é tudo uma questão de aprendizagem!!

E toda a gente é capaz de aprender, digo eu!
Não custa nada tratar daquilo que é de todos, no final de um dia desses vão ver que até sabe bem!!
É verdade...
 
Bom trabalho!
Se não for por carolice…
Um abraço
 
O amigo agora anda ocupadito a "violar" por esses casamentos a fora... mas pode ser que tenha tempo para dar uma espreitadela na informação que aqui deixo!

Procurar imagens e vídeos na web, nunca foi tão fácil, divertido e inovador... veja como no meu Cantinho.

Quanto às quelhadas, já por lá passei um destes dias, mas ia com um destino diferente e não deu para procurar as ditas, mas lá irei numa próxima jornada!

Já agora... e que bem que se porta o trio, os meus parabéns!
 
Obrigado, Matos. de facto tenho tido pouco tempo para me dedicar a estas lides...
 
Pedindo antecipadas desculpas pela “invasão” e alguma usurpação de espaço, gostaríamos de deixar o convite para uma visita a este Espaço que irá agitar as águas da Passividade Portuguesa...
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar