NEOARQUEO
01 janeiro 2011
  Natal e as suas origens

Falar do Natal nesta minha coluna implica, como já se adivinha, falar deste acontecimento numa perspectiva histórica. Começando pelo decifrar do termo, natal vem do latim e deriva do verbo que tem como significado nascer, ser posto no mundo. O Natal, como festa religiosa, é comemorado no dia 25 de Dezembro já desde o longínquo século IV, quando O Império Romano do Ocidente oficializa o Cristianismo como religião do Império. É no século seguinte que o Império Romano do Oriente adopta a mesma atitude. Nesta circunstância passa a celebrar-se o Natal como comemoração do nascimento de Cristo.
As fontes históricas determinam que o Natal, enquanto comemorativo do nascimento do Messias, já se realizava no ano de 336, em Roma, no dia 25 de Dezembro, sendo na parte oriental do Império Romano o dia estipulado para se comemorar essa efeméride o dia 7 de Janeiro. E porque esta diferença? Porque, o Império Oriental utilizava a data do baptismo de Cristo, pois recusava-se a aceitar o calendário gregoriano. O dia 6 de Janeiro foi adoptado na parte ocidental como dia da Epifania (manifestação), comemorando-se fundamentalmente a visita dos Reis Magos ao Menino.
Naturalmente que a data de 25 de Dezembro não é aceite por todos os historiadores como sendo efectivamente o dia exacto do nascimento de Cristo. Aliás, pensa-se sobretudo que esta data foi utilizada e adoptada pela Igreja com o intuito de “Cristianizar” as festividades pagãs que os vários povos da época celebravam no Solstício de Inverno.
Segundo alguns historiadores, este dia foi escolhido para que coincidisse com as festas romanas que eram dedicadas ao nascimento do deus sol. Convém lembrar, também que no mundo romano a Sturnália, festa em honra de Saturno, era celebrada de 17 a 22 de Dezembro e constituía já na época a uma altura de alegria e de troca de presentes. O dia 25 era precisamente o dia do nascimento do Deus Mitra, deus persa.
Foi desta forma hábil que a Igreja antiga “cristianizou” as festividades pagãs. Forma hábil e inteligente, pois não enveredou pelo caminho da proibição e do repúdio em absoluto das crenças e festas pagãs, mas antes “propôs” uma substituição dos deuses antigos pelo deus novo, utilizando as festividades antigas agora convertidas.
A igreja antiga forneceu, assim, um significado novo e uma linguagem nova, cristã, a uma festa que já existia e nada tinha a ver com Jesus Cristo.
São vários os historiadores que fazem recuar a celebração do Natal (não enquanto nascimento de Cristo, evidentemente) a cerca de 2000 antes de o cristianismo se verificar.
É na antiga Mesopotâmia que se pode encontrar um antigo festival que celebrava a passagem de um ano para o outro. Para este povo o ano novo que se aproximava era tido como um período de crise, pois essa transição acontecia no período do Inverno, das chuvas, do frio. Eram os monstros do caos que se avizinhavam e que levavam aquele povo a exultar Marduk, o seu deus, para vencer a tenebrosidade que se anunciava. Sacrificava-se, em consequência disto, um ser humano para que o povo expiasse os seus pecados e desta forma a ordem fosse restabelecida e o nascimento do ano novo viesse então já com uma carga de purificação.
Os persas e os babilónicos realizavam também uma ritual semelhante. Esta zona do planeta teve uma influência extraordinária no desenvolvimento das civilizações e das culturas dos povos antigos da orla mediterrânica. Os gregos, mais tarde, integraram com facilidade esses costumes, bem como os romanos com a Sturnália, como já referi acima.
Crê-se então que é com a comemoração pagã do nascimento de uma novo ano, de uma nova vida, de um novo fulgor, coincidindo e enraizado nas crenças vetustas no deus Sol que o natal, enquanto festa cristã, passa a ser a grande festa do nascimento de Jesus.


PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Boas Festas Amigo (Virtual) António. A propósito ainda estou à espera do seu livro sobre as sepulturas escavadas na rocha. Como prenda de Natal vinha a calhar... Pegou?

Um grande Abraço do

Joaquim
 
Caro Antonio:
Tal como o amigo Joaquim, tambem eu estou em linha, para o seu livro!
Um excelente ano, que eu espero passar pelas nossas terras, la mais para o tempo quentinho.

Um abraco de amizade dalgodrense.
 
Feliz Natal e Bom Ano.
UM ABRAÇO
Alex
 
Diga-me só uma coisa, porque é que independentemente de tudo o que aqui escreveu, Jesus Cristo não pode ter nascido de facto a 25 de Dezembro?
 
Caro Ninja, eu não nego que Cristo possa ter nascido a 25 de Dezembro. em no texto está essa negação em absoluto. Claro que Cristo pode ter nascido nesse dia, porém não há provas documentais, arqueológicas e orais ou escritas cuja credibilidade, em termos de ciência histórica,permitam aos historiadores chegar a essa conclusão sem qualquer margem para dúvidas. Por outro lado ressalvo que este meu texto não é um manifesto anti-cristo ou anti-religião. Trata-se apenas de um texto de síntese histórica que permite uma abordagem do Natal numa perspectiva diferente e apoiada e suportada nas mais recentes investigações históricas sobre o tema. Obrigado pela questão.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar