NEOARQUEO
02 janeiro 2011
  Urbano Duarte visto à luz da História por LÍgia Inês Gambini

Aconteceu no passado dia 23, pelas 18 horas, nas magníficas e modernas instalações que apoiam o Convento de Santa Clara-a-Velha, em Coimbra, o lançamento do livro "Urbano Duarte: Igreja, apostolado de estudantes e jornalismo, do estado Novo ao pós-25 de Abril". A autora da obra é a Dra Lígia Inês Gambini de Sousa Guedes, minha estimada amiga de longa data e colega de curso. Pessoalmente não poderia faltar ao evento e lá estive, testemunhando a excelente prelecção do Professor Doutor Reis Torgal, do Doutor Pita da D R Cultura.
O protocolo esteve a cargo do Dr Mário Nunes, vereador da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra.
O evento contou também com a presença do Dr Carlos Encarnação, Presidente da Câmara de Coimbra que, enquanto estudante, foi, à semelhença do Professor Reis Torgal e do Doutor Pita, também ele aluno do Cónego Urbano Duarte, ao tempo prfoessor no Liceu D. João III.
O trabalho da Dra Lígia Gambini resulta da sua dissertação de Mestrado em Historia Contemporânea.
Na assistência havia uma plêiade notabilíssima de historiadores, arqueólogos e individualidades da Cultura nacional, de Coimbra e da Universidade.

A obra, inserida na colecção "Coimbra-Património" que tem como objectivo afirmar, divulgar e valorizar a cidade do Mondego, está à venda na Casa da Cultura daquela cidade.


ISBN: 978-989-8039-12-5

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>: Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar