NEOARQUEO
07 abril 2009
  Viriato e Viseu...E Mauricio Pastor Muñoz?

Nós, os beirões da Beira Alta, dizemos cheios de orgulho que Viriato, o grande chefe dos Lusitanos, é da mui nobre e vetusta cidade de Viseu. Porém, se formos, na mesma Beira Alta, até Folgosinho, no concelho de Gouveia, bem lá no alto da Estrela, lá nos espera uma estátua dedicada ao condutor de homens que se opôs aos exércitos de Roma.
Não nos fiquemos por aqui, Zamora, em Espanha, dedica um praça e uma estátua a Viriato. As últimas investigações indicam que, não se sabendo com exactidão o seu local de origem, apontam, todavia, para o facto de este ter o seu "quartel general" mais para terras da Extremadura Espanhola. Assim, e lendo o livro de Mauricio Pastor Muñoz "Viriato", fica-se com a ideia, bastante fundamentada, que foi pela zona de Cáceres e suas serranias que este "pastor" terá assente arraais.
Já outros estudiosos dos lusitanos apontam como improvável que os Lusitanos resistentes às legiões romanas não poderiam ter "sede" no lado atlântico da Serra da Estrela. A base de sustentação desta teoria é fundametalmente de ordem geográfica e de relevo, assentando, óbviamente em investigações criteriosas. Na realidade, se o bastião de Viriato se situasse em Viseu teríamos de admitir que os Romanos teriam já a Serra da Estrela subjugada a Roma. A exércitos tão bem treinados e organizados como os de Roma, uma vez transposta a Estrela, não seria difícil a ocupação total da Hispanea, e em menos tempo do que os relatos tradicionalemente relatam.
Os lusitanos, e o seu chefe, teriam de estar mais avançados em termos de território ibérico e sempre para oeste da Estrela (Cova da Beira).
Esta teoria, baseada em rigoras investigações, é suportada por diversos autores: Jorge de Alarcão, por exemplo e mais recentemente pelo autor do livro que, en passant, referi, que os atira para as bandas de Cáceres, lá mais para a Sierra de San Pedro. Leiam, vale a pena.
É da Ésquilo, passe a publicidade.
 
<$Comentários$>:
Sobre o facto de Viritao não ser "português" veja-se o ensaio pioneiro de Amilcar Guerra e Carlos Fabião publicado na extinta "Penélope" (http://www.penelope.ics.ul.pt/indices/penelope_08/08_05_AFabiao.pdf)
Sobre os lusitanos veja-se também o recente livro de João Luis Inês Vaz, publicado igualmente peja Ésquilo (http://www.esquilo.com/Lusitanos.html)
abraço
 
Para mim o Viriato é e sempre foi Beirão. Que me perdoem os historiadores, que muito respeito, mas custa-me perder as referências e os ideais históricos que me foram desde sempre transmitidas como pertencendo a Portugeses ou no caso concreto alguém que operou em território que agora é Portugal. Custa-me ainda mais quando depois as referências passam para outros países (não tenho nada contra a Espanha). Esta já é a segunda pois não me esqueço do Brasileiro que defende que não foi o Pedro alvares Cabral que descobriu o Brasil.
Vitor Martins
 
Olá Compadre. De facto é quase de bradar aos céus que nos queiram tirar as referências históricas e que muito nos marcam. Porém, esta é uma hipótese que parece estar muito bem fundamentada. Mas, para te alegrar e para que o teu "orgulho" nacionalista não fique ferido, devo dizer-te que se desconhece em absoluto onde nasceu Viriato. Vamos acreditar, até provas em contrário que pelo menos tenha nascido ali bem pertinho de Castelo Branco. Seve esta cidade ou preferias a mui Antiqua et Nobilissima Viseu? Por outro lado, ele e os seus "guerreiros" povoaram território que hoje é Portugal, e nas incursões contra o invasor que falava latim havia avanços e recuos e é natural que Viriato tenha recuado bastante por algumas ocasiões, emrenahndo-se bem adentro do nosso actual território. Aliás as tribos lusitanas ocuparam o território que hoje é Portugal, grosso modo, mas estendiam-se por terras que mais tarde vieram a pertencer a Espanha. As tribos da altura(eram várias e tinham vários nomes, tal como hoje:somos os mangualdenes, os viseenses, os gouveenses, etc, mas todos somos portugueses). Na altura também era assim. Espero que esta singela explicação te sirva de consolo...
 
Compadre
Fico mais confortado com a tua explicação complementar, e para mim o Viriato tem tudo para ter nascido em Viseu.
Obrigado pelo conforto
Abç
 
A única referência geográfica que se conhece de Viriato é do historiador grego Diodoro da sicilia. Segundo este, Viriato pertencia a uma das tribos lusitanas mais a oeste, junto ao Oceano Atlântico. Assim, seria decididamente território hoje português, mas dificilmente da Beira interior.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar