NEOARQUEO
27 setembro 2009
  Machado de pedra polida de Abrunhosa do Mato ou de Cunha Baixa?

Hoje apresento uma peça que, por ter sido encontrada avulsamente, me tem causado alguns problemas.
Trata-se de um machado em pedra polida. De facto, em 1987 procedi ao registo de actualização no “Levantamento Arqueológico do Concelho de Mangualde” deste achado. Aí relatei que o machado fora descoberto por altura da descava e arroteamento dos terrenos no lugar de Pessegueiro, em frente à nova rotunda do entroncamento para Vila Ruiva e Abrunhosa do Mato, em Cunha Baixa. O referido artefacto veio novamente ver a luz do dia através da enxada de um dos trabalhadores. Foi assim que me foi apresentada a descoberta. Foi assim que escrevi.
Devo referir, no entanto, que quem me fez este relato não foi o autor da descoberta, foi o proprietário do Café Cantinho, de Abrunhosa do Mato, a quem foi oferecido o machado.
Mais tarde verifico que no livro “O Património Arqueológico do Concelho de Mangualde”, editado em 1992, pela Câmara Municipal de Mangualde, da autoria de Luís Filipe Gomes e Pedro Sobral de Carvalho tal machado está referido como tendo sido descoberto em Abrunhosa do Mato, em conjunto com outros artefactos da Pré-História, no pátio interno de uma casa de habitação, junto ao Café Cantinho.
De facto, nos anos de 86 ou 87 do século passado, o proprietário do dito café procedia a obras de abertura de alicerces num pátio e foi durante a remoção de entulhos e escavações que surgiram vários objectos em pedra polida, e outros com trabalho humano, bem como outros que não apresentam trabalho humano. Na altura também o proprietário me mostrou os achados deste sítio. Fiz, como me competia, o registo de actualização no mesmo “Levantamento…”, no mesmo ano de 1987.
Em consequência temos um machado que é simultaneamente apresentado como proveniente de dois sítios diferentes.
Assim, o proprietário do Café Cantinho prestou relativamente a este machado duas informações diferentes: a mim refere-o como proveniente do Pessegueiro e aos meus colegas apresenta-o como proveniente do sítio onde procedeu á abertura de alicerces para obras.
Sem dúvida que existe confusão: ou a primeira informação que me é dada e que registei no “Levantamento Arqueológico do Concelho de Mangualde” (ACAB e no exemplar que tenho na minha posse) é verdadeira e o machado é de facto proveniente do Pessegueiro, ou então, não sendo verdadeira, temos que aceitar a referência do livro que já citei como certa e o machado desloca-se para Sul, cerca de 2,5 kms.
Na realidade, na colecção de achados de Abrunhosa do Mato existe, para além do machado a que me refiro, um fragmento de machado em pedra polida, em anfibolito, e que também vem referenciado como tendo aparecido durante as mesmas obras no mesmo livro já citado. Trata-se do talão, isto é, a parte de cima do machado. A parte do cume não aparece. Partiu-se em qualquer acidente desconhecido ou porventura durante o seu uso pelos homens do Neolítico. Não se sabe.
Na actualização que fiz ao “Levantamento Arqueológico do Concelho de Mangualde” para registar os achados das obras junto ao Café Cantinho, não faço referência a esse “talão”, nem o inventario. Certamente não me terá sido mostrado na altura e como consequência, não procedi ao seu registo.
Na minha perspectiva e, uma vez que já passaram vários anos sobre estes acontecimentos, o que se passou foi:
1- o proprietário do Café Cantinho pode ter feito confusão com os machados e ter trocado a proveniência deles. Assim, terá prestado informações erradas a mim ou aos outros meus colegas.
Estou em crer que a informação correcta é aquela que eu veiculo na actualização do “Levantamento…”, uma vez que a primeira data de registo do machado é de 1987 e a publicação do livro “O Património…” é de 1992.
Estamos a falar de um período de tempo de 5 anos e o proprietário do café Cantinho esqueceu que o machado teria vindo do Pessegueiro e atribui a sua descoberta ao vasto conjunto de peças que encontrou no seu pátio, em Abrunhosa do Mato.
Pode parecer pouco importante esta questão, mas a verdade não é essa: a História constrói-se com base em dados, factos, acontecimentos e com materiais feitos pelo homem e que testemunham a sua passagem, a sua ocupação na superfície da terra.
Ora, um “vulgar” machado de pedra polida aparecer num sítio onde surgem muitos outros artefactos de pedra: martelos percutores - para trabalhar e fabricar outros artefactos de pedra - outros utensílios de pedra polida, outros em quartzo com formas bizarras fazendo lembrar cabeças humanas, tem, à falta de melhor utilidade, a condição de poder datar esse local. Isto é, o sítio de Abrunhosa do Mato, deu vários materiais, mas não há registo estratigráfico, não há qualquer elemento que permita localizar este sítio no “tempo”. Assim, este machado de pedra polida, mesmo que seja da época dos metais, permite fazer “viajar” aquele sítio pelo menos até ao Neolítico. Porém, este sítio pode muito bem ser mais antigo ou, eventualmente, mais recente. Os outros materiais que surgiram naquele sítio poderão, por analogia com elementos semelhantes aparecidos noutros locais da Península Ibéria, sugerir que aqui teria havido um local de culto ou funerário ou eventualmente um habitat, conforme referem os autores do livro “O Património…”
No entanto, se considerarmos que o machado é proveniente do Pessegueiro, e eu inclino-me para tal, a datação relativa e colocação no mapa do tempo do sítio de Abrunhosa do Mato já se torna mais difícil. Claro que temos ainda o “talão” de um machado de pedra polida (que eu não inventariei na actualização do “Levantamento…”, conforme já referi acima) e os elementos com paralelo com os aparecidos na região de Almeria, referidos por Almagro Gorbea, que não deixam dúvidas quanto à pré-historicidade do sítio.
Mas, postas as coisas desta forma, a História pode ser escrita de maneira diferente, como facilmente se vê.
O facto do referido machado ter aparecido no Pessegueiro fá-lo entrar em conexão directa com os construtores de megálitos daquela área: anta da Cunha Baixa, Orca dos Padrões, Orca dos Braçais. Claro que Abrunhosa do Mato é perto e, pese embora não haja vestígios de construções megalíticas naquelas paragens, o sítio onde surgiram os outros achados pode ter uma correlação estreita com os mesmos habitantes que terão construído ou ocupado os Dólmenes da região. No entanto, aparecer num sítio ou noutro coloca as coisas num patamar completamente diferente.
A questão que levanto a propósito deste machado é: a falta de rigor na transmissão das circunstâncias dos achados; a mais que certa confusão no relatar dos acontecimentos, condicionam e fazem seguir um caminho de interpretação histórica errado, nem que mais não seja em termos do estudo monográfico das várias localidades.
 
<$Comentários$>:
António Tavares,

Já estive com esse machado na mão. Também já vi as peças encontradas pelo Jeff que estavam expostas no café cantinho na Abrunhosa do Mato.
Este que nos apresentas é mesmo um machado polido de gume afiado pré-histórico e de interesse arqueológico. Já os outros materiais são bem diferentes - são bem mais toscos e de mineração diferente.
É bem verdade que se misturados, um potenciando os outros, pode conduzir leigos ou desatentos a erros de interpretação. Mas tu, conhecedor, inteligente, dotado de talento e Arqueólogo de formação, soubeste muito bem separar o trigo do joio, por em duvida a qualidade da fonte e o rigor da informação que te foi transmitida.
É essa a qualidade que distingue um bom investigador de História e Arqueologia.
Parabéns.

Um abraço amigo
 
Olá,António!
Parabéns pela defesa e divulgação do património histórico-cultural.Força!
O blogue www.aldeiadaminhavida.blogspot.com e o blogue www.aldeiashistoricasdeportugal.blogspot.com também procura promover o Interior de Portugal e o que de melhor ele tem.

Cumprimentos sinceros,
Lena
 
Amigo sou do brasil e tenho encontrado varios machado de pedra polida em meu sitio, gostaria que olhasse e avaliase se são verddeiros.e sem tem valor para venda franciscocarlospereira@ymail.com grato
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar