NEOARQUEO
24 outubro 2005
  Alminhas - A Saga da Preservação

As alminhas são pequenos monumentos de cariz religioso. São também uma das mais originais expressões da arte popular portuguesa. As Alminhas são constituídas, invariavelmente, pelo retábulo e pelo oratório. È no retábulo onde figura a representação do Purgatório. Essa representação é feita através de pintura ou de painel de azulejos. Daí deriva o nome com que o povo as baptizou.
Situadas à beira dos caminhos, nas encruzilhadas, abundam no Norte e Centro, podendo encontrar-se também no Sul do País. Em termos artísticos as pinturas e/ou os azulejos são extremamente simples e até naif. O Purgatório é representado por uma grande fogueira expurgatória e, envolvidos nas chamas, pelos pecadores que, contorcidos, erguem as mãos ao alto, suplicando clemência. A intervenção misericordiosa dos Céus é feita pela representação de diversas figuras divinas ( Jesus Cristo Crucificado, a Virgem Maria, o Espírito Santo em forma de Pomba, entre outros) que intercedem em auxílio dos pecadores e vão retirando do suplício as almas entretanto purificadas. Um aspecto interessante que importa referir é que certos retábulos mostram cabeças de reis coroadas, frades, bispos com a mitra, etc, Depreende-se que até os poderosos não escapavam à justiça divina. Claro que as crianças não aparecem, pois a sua alma é pura…
Desconhece-se a origem destes monumentos, porém já os Gregos, Os Celtas, Os Romanos e outros povos da antiguidade erguiam monumentos à beira dos caminhos e nas encruzilhadas dedicados aos seus deuses protectores dos viajantes, por exemplo os Lares Compitales e os Lares Viales dos Romanos. A Igreja primitiva, na sua lógica de expansão do cristianismo, foi substituindo estes monumentos pagãos por cruzes de madeira e cruzeiros de pedra. Esta situação perdura por toda a Idade Média. Mas as Alminhas só aparecem bastante mais tarde. Não podemos esquecer que o dogma Purgatório não aparece, não faz parte da Arte Medieval. Só com o Concílio de Trento, em 1563, a Igreja reafirma dogmaticamente a existência do Purgatório. Assim, as Alminhas prendem-se inicialmente com este dogma, com o fascínio ancestral por determinados locais e ritos mágico-religiosos (encruzilhadas). Só a partir do século XVI é que em Portugal começam a surgir as primeiras representações do Purgatório. Assim, e devido à dificuldade de datar a maior parte destes documentos, só se pode aceitar a sua disseminação a partir do Século XVIII e XIX.
Apresento-vos a alminha do Alto da Cruz, situada numa encruzilhada que basicamente divide as terras de Cunha Baixa e as de Abrunhosa do Mato. O seu estado de conservação é lamentável. Urge o seu restauro. Pela minha parte cá continuarei disponível para ajudar as entidades locais na sua preservação.
 
<$Comentários$>:
Quem é que disse que na net não se aprende? Neste blog aprende-se. Gostei
 
"O seu estado de conservação é lamentável. Urge o seu restauro. Pela minha parte cá continuarei disponível para ajudar as entidades locais na sua preservação" Pois é meu caro amigo, continuamos no mesmo, falta capacidade nos politicos locais para olhar para o nosso património de outra maneira. No local onde vivo actualmente, no meu muro existe uma alminha que eu com muito carinho preservei e coloquei no devido lugar, se tivesse vindo mais tarde estas já não existiam, estariam decerto nas funduras de uma casa. A C.M.M. quando autorizou este loteamento não quiz saber embora as mesmas estejam no roteiro de Mangualde. Chamei a atenção dos responsáveisa mas estes nem resposta como é seu timbre. Mais uma vez Bem haja pela perseverança TSFM.
Terreiro
 
já agora uma pergunta. na minha aldeia dizia-se que as alminhas correspondiam a locais onde tinha sido morto alguem. um bocado à semelhança das cruzes que hoje marcam alguns locais nas estradas.
Pelos vistos não será o caso, ou falamos de coisas diferentes.
 
tal e qual mocho.. na minha terra diz-se precisamente a mesma coisa e ha la umas 3 ou 4 pedras dessas.. mt bom este blog.. parabens!
 
Mocho e Fornense, tem razão de ser a vossa questão. A tradiçaão oral das nossas aldeias refere de facto que as alminhas assinalam o local onde alguém tinha sido morto. Todavia, não é assim, mas existe uma certa ligação: recordam-se de eu ter escrito que a Igreja substituiu os monumentos pagãos por cruzes de madeira e cruzeiros de pedra, e que são bem mais antigos que as Alminhas, nos mesmos locais utilizados pelos romanos, e com as mesmas funções de protecção, mas tiveram também uma função de assinalar e recordar acontecimentos históricos:epidemias, mortes violentas,etc. Ora, as Alminhas vieram a ser implantadas, não na Idade Média, como os cruzeiros, mas nos seculos XVIII e XIX nos mesmos locais e substituindo-os e, embora só viessem pedir a oração pelas almas do Purgatório a quem passava, a tradição popular criou uma analogia com os cruzeiros primitivos que referi.
 
Um blog específico e de boa qualidade, claro, suscinto, de simples linguagem e que nos dá a conhecer a razão de ser e de existir de certos monumentos.
Desta forma tem-se a oportunidade de se conhecer um pouco mais a história do nosso concelho. Não há dúvida que a preservação de alguns monumentos depende de pequenas coisas, como por exemplo, da boa vontade de certas pessoas com poder para o fazer.
 
As “alminhas” segundo a tradição oral da minha aldeia (Guimarães de Tavares), serviam para as pessoas se lembrarem que esta vida é um caminho e como tal, quando passavam junto destas, com os seus animais para a lavoura, paravam para orar pelos que no purgatório esperam que o arcanjo São Miguel os leve para o céu - "Ó vós que ides passando / Lembrai-vos de nós que estamos penando / P.N.A.M."; "Pelas almas do Purgatório / Padre Nosso / Avé Maria"; "Nós penamos e vós zombareis / Mas lembrai-vos que em breve como nós sereis".
Em Guimarães de Tavares, como não há cemitério, existe uma alminha numa encruzilhada á saída da aldeia, onde os funerais param, são rezados os “padres nossos” e as “Ave-Marias” e partir dali a maioria das pessoas já não acompanha o funeral, o cortejo fúnebre acaba ali, actualmente o carro da agencia funerária arranca para o cemitério de Chãs de Tavares e quem tem carro segue-o, mas antigamente quando era a “carreta” a fazer o transporte da urna fazia-se o mesmo, a “irmandade” terminava ali os seus serviços. Esta alminha está muito bem conservada, sobreviveu a alargamentos de estrada, mas muitas, infelizmente, não são recuperadas quando o “progresso” as empurra e lhes passa por cima, outras estão abandonados e gastas pelo tempo e a nossa região até bem rica nestes tipo de monumentos.
Os Celtas também prestaram culto às divindades protectoras dos caminhos e encruzilhadas, gostava de saber se existe alguma relação entre as alminhas e os cruzeiros que aparecem nos caminhos e encruzilhadas?
 
Obrigado pelo contributo dado neste comentário. Enriquece em termos clturais o conhecimento que se tem das Alminhas e do "aproveitamento" funcional das mesmas nos dias de hoje. Quanto à relaçao das alminhas com as tradições Celtas é aquela que, sumariamente, expuz no artigo: Os celtas, tal como outros povos da Antguiade, erigiam onumentos junto às encruzilhadas e á beiras dos caminhos dedicados aos deuses protectores dos Viajhantes. As alminhas têm como objectivo apelar ao transeunte a oração pelas almas do Purgatório, daíquem rigor apenas se pode dizer que a semelhança cultural entre elas e os monumentos celtas é, fundamentalmente a localização ser a mesma, e uma posterior aculturação na função que se destinavam.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar