NEOARQUEO
03 dezembro 2005
  Uma Casa Romana, concerteza

É comum ler-se nos livros de História e de Arqueologia o seguinte: estamos perante estruturas que indiciam a existência de uma Villa Romana, ou nas visitas às ruínas Romanas que existem pelo país fora na classificação do sítio fazer-se alusão à casa de habitação ou domicilio dos senhores e as estruturas (restos das paredes no chão) “desenharem” a casa de habitação. Mas, como era esta afinal? A casa romana tem uma multiplicidade de plantas e evoluiu arquitectonicamente ao longo dos séculos, e em função da região onde era construída (clima), se era urbana ou se era rural se fazia parte da malha urbana das ruas centrais de uma cidade e, naturalmente, as posses do dono determinavam, tal como hoje, a sua maior dimensão e opulência. Não é este o espaço para se falar, com todo o rigor técnico dos académicos e especialistas na matéria, sobre os diversos tipos de casas romanas. Apenas pretendo partilhar convosco o desenho de uma dessas casas para que se possa ver, em perspectiva “real” aquilo que costumamos ver nas ruínas arqueológicas. É que assim torna-se mais fácil “imaginar” a casa através dos alicerces, muitas vezes incompletos que se encontram nas ruínas arqueológicas. Futuramente colocarei o desenho de uma casa típica de uma rua de cidade do Império Romano.
 
<$Comentários$>:
...as coisas que eu aprendo aqui!
Juro!

Gostei de saber.

Obrigada por partilhares os teus conhecimentos.
Jinho, BShell
 
Não falha, os Romanos deixaram mesmo vestígios aqui no nosso pobre Portugal. Vejam bem a planta!... Já está?... Bem a casa até nem podia ter escritório, quartos, etc etc, mas Taberna!!!!! Logo duas!!!!, malandros.
A sério gostei de ver, assim é mas fácil visualizar uma casa desse tempo.
Já agora diz lá o que são as duas Tabernas... estou curioso.
 
As construções dos romanos são muito parecidas com as da actualidade.
Aqui aprende-se muito!
 
Eu diria que as construções da actualidade é que são parecidas com as dos romanos :-).
Sem dúvida que, em arquitectura e engenharia, os romanos eram entendidíssimos. Gostei!
 
Estas explicações são claras e objectivas.
Concordo que antigamente os abastados não construiam chalés.
Pelas casas denunciavam o seu poderio económico.
Penso que por vezes certos "achados" arquiológicos não são devidamente considerados pelas pessoas, porque não têm como suporte explicações como as deste blog.
 
Bem haja pelos comentarios no meu blog, ja ai lhe respondi.
Continue a escrever sobre historia e arqueologia, pode sempre contar com este leitor.
 
gostava de saber mais coisas.acho que se é arqeolgodevia dar mais informaçoes.ms gostei
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar