NEOARQUEO
05 janeiro 2011
  5 de Outubro de 1910: A República

O republicanismo português assenta as suas raízes na trilogia da Revolução Francesa: Liberdade, Igualdade e fraternidade.
Liberdade de pensamento, igualdade jurídica entre os diversos cidadãos, solidariedade entre as diferentes classes sociais. É aqui, sem dúvida, que se centram as ideias-força que subjazem a este movimento.
Postulava-se, igualmente, o princípio da soberania nacional, a prática de eleições livres, a adopção de uma constituição votada pelos representantes do povo, a subordinação do poder executivo ao poder legislativo. A república seria, portanto, o coroamento lógico de qualquer regime assente nestes princípios e nestas práticas, ainda que eles pudessem coexistir com a instituição real. Assim aconteceu na França com a revolução de 1789, que levaria à queda do trono. Assim foi em Portugal: fazendo um percurso lento e pouco acidentado, pode detectar-se uma linha condutora que liga a Revolução Liberal de 1820 à revolução republicana de 1910.Das correntes mais radicais das Cortes Constitucionais de 1820 ao Setembrismo de 1836, da teorização e da prática dos primeiros republicanos, convincentemente assumidos como tais, à irrupção do movimento republicano entre 1870 e 1880.
O ideal republicano ganha força e desagua impetuosamente a 5 de Outubro de 1910.

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Thanks pela 'dica' :-)
Gaurdei esta imagem e a informação...é que dos ministros-ministérios, desconhecia os nomes dados naquela época ;-)
 
Depois da Revolução de Abril e da de 1383, a Revolução de 1910 foi a que mais profundas transformações e mais esperança num futuro melhor trouxe ao Povo.
 
Onde está a rapariga de belos seios a que chamamos Republica? tens que me dizer o nome dela.
Um abraço
 
GreenSky essa rapariga estava ontem num bar aqui de Mangualde!

Isto é que é uma república... Viva!

Abraços
 
Infelizmente resultou em 16 anos de fracos e incompetentes governos, entermeados por uma serie de pequenas revolucoes que terminaram num 28 de Maio que nos trouxe 48 anos de ditadura.

Agora e depois 32 anos de "democracia" vivemos uma republica que me faz lembrar as dinastias visigoticas com "reis" eleitos por dez anos, que gastam mais do dobro da casa real espanhola, fazendo mais ou menos o mesmo, e com muito menos credebilidade.
No entanto "Viva el-rei Cavaco"
 
Viva a República!!!
Como não há regimes perfeitos temos que viver com o que temos.

E o Dom Duarte de Bragança que se cuide se ainda sonhar vir a ser rei. Terá que ter muito cuidado com o Barão Alberto da Madeira que já começou a idealizar a sua bandeira alaranjada, com uma árvore da pataqueira dourada, fazendo juros aos impostos perdidos por aquele paraíso fiscal.

Será caso para dizer: Viva a República da Bananas!!!
 
Se a República se fundamenta nesses 3 princípios, com a idade que tem vai perdendo a memória ...
 
Os principios, pressupostos, com que se norteia cada medida, acção ou regras, normalmente são sempre os melhores, caso contrario era dificil de os aceitarem, tambem a 25 de abril de 1974 forçando com tanques e armas em riste, golpeando o estádo, dizendo disfarçadamente e sem vergonha " viva a democracia, pois pergunto eu democracia é tirar o governo e substituir por um outro auto-nomeado, a verdade é que foi necessario o 25 de Novembro, passado um ano e alguns meses (1975) para que se pudessem realizar eleições livres e democraticamente, ainda que houvesse quem não aceitasse partidos politicos e deixem-me recordar por ex o que aconteceu em a 25 Janeiro, no palacio de Cristal no Porto.
Amigo TSFM, foi apenas um desabafo, aceita um abraço
 
Ok Pistoleiro, concordo contigo, mas se não houvesse 25 de Abril esse 25 de Novembro não teria acontecido.
Pena é que a Republica aqui mostrada se tenha transformado gradualmente em Républica das Bananas!!
 
República das Bananas, não diria, mas um PREC dos Porcos ... talvez.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar