NEOARQUEO
27 janeiro 2011
  Até parece que estou de férias...

Até parece que estou de férias é um título bastante elucidativo e que deixa transparecer com clareza a lentidão que tenho tido ultimamente na colocação de posts.
Mas não, não estou de férias. Pode parecer, mas não. Aliás, devo referir a este propósito que nos últimos tempos tenho tido uma intensa actividade. E compreenda-se actividade em todos os sentidos: kilómetros de estrada não me têm faltado. Desde princípios de Dezembro até à data que a viatura somou cerca de 8.000 kms. É verdade!
Caros amigos leitores e comentaristas tenho alimentado pouco este espaço. Mas tal não é propositado. De maneira nenhuma. Tem-me sido difícil conjugar todas as minhas actividades neste final de ano.
Parece inverosímil mas, na realidade, a verdadeira responsável pela minha vida mais atribulada e pela notada ausência neste vosso espaço é a CRISE.
É verdade...A CRISE que está instalada em todo o planeta, que está a falir bancos, empresas, a atirar milhões de pessoas diariamente para o desemprego é a grande responsável pela alteração de alguns hábitos na minha vida nestes 2 a 3 meses.
E isto porquê? Perguntará quem me ler...
Pela simples razão que a tal CRISE também me chegou. É com frontalidade que o digo e afirmo: a empresa para a qual prestei trabalho durante 22 anos, um gigante mundial da Industria Farmacêutica, também foi afectada. A fazer-lhe companhia nesta altura está também a número 1 do mundo, a número 2 e a número 4. Não vale a pena referir que as outras que se seguem no ranking estão na mesma situação.
Eis-me, acompanhado de milhares de colegas a nível mundial e a nível nacional, inserido num processo de reestruturação que nos colocou (alguns não se importando com isso , mas outros enfrentando sérios problemas) numa situação na qual muitos nunca pensariam poder algum dia estar: sem trabalho...
Face a este tipo de realidade as reacções são diversas de pessoa para pessoa. Assim, muitos desanimam, perdem a esperança num futuro melhor. A ansiedade, a angústia, a depressão vai entrando de mansinho nas cabeças e nos corações de muitos dos meus colegas. Outros são mais positivos e encaram esta situação como uma oportunidade, talvez única, para romperem com um ciclo que involuntariamente se finda e encetarem novos desafios. Para muitos o desafio é motivado por uma gana de pôr em marcha um negócio, uma actividade para a qual acabam de repente por despertar. Para outros, muitos também, é a oportunidade de por fim poderem abraçar velhas paixões, adormecidas, mas nunca esquecidas.
Encaixo neste último grupo: penso que chegou a altura de enveredar por caminhos que outrora tencionara trilhar, mas que a vida se encarregou de me desviar.
É assim, na azáfama de (re)construir um novo programa profissional, que me encontro neste momento...
Devo dizer que a par desta minha nova abordagem aos meus projectos profissionais, continuo a honrar os meus compromissos: continuo a publicar quinzenalmente as minhas crónicas no "Notícias da Beira", continuo a publicar as minhas crónicas mensais no "Zurara", a Universidade Sénior mantém-se como um serviço à comunidade que prezo muito, não larguei o associativismo e a ajuda técnica que muitas vezes me pedem. Enfim...não me estou a queixar, porém não tenhos os poderes do Professor Marcelo Rebelo de Sousa que consegue, diz-se, escrever em simultaneo um texto com a mão direita e outro com a mão esquerda e ao mesmo tempo ler um livro e dar um parecer...
É por isso que me atraso a alimentar este espaço. E, se dermos conta, o "Neoarqueo" já conta com 3 anos efectivos e caminha para os 4. Aqui já deixei uma boa parte de mim. Fi-lo pela paixão que nutro pelas "coisas velhas", pela nossa memória, pela nossa identidade, pela nossa história, pelo nosso património. Comecei com um intuito, mas rapidamente verifiquei que os meus leitores e comentaristas me mereciam muito respeito, e como tal tentei estar sempre à altura das suas "veladas" exigências. Não me arrependo um segundo que seja. Ainda não chegou o tempo de parar...
Todavia, nesta fase da minha vida preciso de tempo para mim. Peço aos meus leitores e comentaristas, enfim, aos meus amigos, que me perdoem então o espaçamento na publicação dos posts.
Compreendam, assim, que virei aqui sempre. Diáriamente, como sempre. Publicar posts é que vai ser a um ritmo mais lento. prometo que parar é que não vou. Penso e aprendi que "parar é morrer", por conseguinte...

PS Este Post foi transferido para data posterior por questões técnicas.


 
<$Comentários$>:
Meu Amigo, desejo-lhe toda a sorte, força e ânimo para levar por diante esta nova faceta da sua vida.
Um grande Abraço de solidariedade do

Joaquim Baptista
 
Força, saúde e sorte para o rumo novo!
Como muito bem diz: Parar, é morrer.
Um abraço solidário, caro António Tavares.
 
Compadre

Por cada porta que se fecha abrem-se duas. Se a isso juntares inconformismo, positivismo e força de vontade as coisas só podem correr bem.
Tudo de bom para ti e família. E já agora vê lá é se começas a por mais posts.

Abraço meu da Madalena e Miguel

Vítor Martins
 
Olá António Tavares!

Não parece - estás mesmo de férias.
Aproveita-as bem porque passam sempre num instante.
Não te preocupes muito com o trabalho. Uma pessoa dotada como tu nunca ficará desempregada muito tempo - terá sempre que fazer.
Aproveita bem as férias...
E não te esqueças dos artigos no blog
:-)

Um abraço amigo,
 
Coragem meu amigo, pois quando D*us fecha uma porta abre sempre uma janela!

Um abraco de solidariedade e amizade.
 
A esperança é a ultima a morrer, força, e que tal uma aposta na politica?
Estamos numa boa época.
 
Pois eu tb nao vinha cá há muito tempo e calhou bem, visitar o NeoArqueo agora! pois gostei muito de ler este post. E até é um incentivo ;-)

Bravo! Assim é que se fala ;-)
Felicidades no novo caminho!

Maria (ex-Sulista)
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar