NEOARQUEO
11 junho 2009
  Um passeio ao Velho MUNDA...

Para comemoração do dia 10 de Junho (Camões, Portugal e Comunidades) eu e o António Joaquim decidimos ir ao "velho" Mondego e experimentar, a pé, o novo acesso aberto pelas equipes de técnicos da barragem. Bem, munidos de boa vontade, lá fomos.
Ao chegar ao primeiro túnel para os espigões do paredão (penso que é assim que se chama) demos de caras com o Luís que vinha lá de baixo, de ao pé da água. Entrou connosco no túnel, que estava com uma temperatura extraordinariamente refrescante para o calor que se fazia cá fora ( e que até nem era muito, mas...).
Percorremos um bom bocado de túnel. Depois, descemos definitivamente até ao rio, até à água. Pelos trilhos que hoje estão avivados pelos pescadores fomos até aos morros graníticos que suportaram as pontes (pontões) que por ali já existiram.
Ficámos por alguns momentos a admirar a acalmia das águas e detectámos buracos quadrangulares e outros circulares que serviam a estrutura de um pontão que hoje já não existe. Do outro lado da margem veêm-se também escavações no morro para suportar as traves de madeira que suportavam a ponte. Estamos a falar num nível cuja altura é de 232 metros.
Seguidamente subimos 5 metros para os 237 e alcancámos o pontão que ainda hoje existe, pese embora não tenha nehuma tábua de passagem, rigorasamente por cima do nível do antigo e primitivo pontão. Este pontão, que conserva os cabos de aço só servirá para os mais radicais (diria mesmo, para os militares "comandos" ou "rangers" fazerem treinos de alto risco). Neste nível lá estão os arranques do pontão e as tabuletas (dum lado e do outro das margens) a indicar que apenas as pessoas podiam transitar e a carga só poderia ser de 200 Kg). Ao lado, bem como no memso sítio da outra margem, está uma placa em cimento com uma inscrição que, dadas as dificuldades de acesso, não conseguimos ler com rigor, mas que além do escrito está dadatada de 2-1-1962.
Percorremos o trilho de regresso para ir visitar o velho moinho, completamente em ruínas que ali perto se encontra e que justificava a ponte.
Na realidade aquele investimento feito nos pontões: o primeiro não se sabe a data e que terá sido destruído com alguma cheia, foi substituído e colocado na plataforma 5 metros acima, só existiam e justificavam-se pela actividade de moagem que no lado da Abrunhosa do Mato, ao longo do Mondego sempre se verificou. Aqueles pontões serviam sobretudo para as pessoas de Girabolhos e também da Póvoa da Rainha (mas menos) virem ao lado de cá moer o miho.
A presença de Moinhos ao longo da margem direita do Mondego é uma constante e o mesmo não se verifica no lado esquerdo. A ditar esta realidade estão as características das margens: do lado direito as encostas são mais suaves e as plataformas criadas pelo próprio rio, ao longo dos milhões de anos, permitiu que a instalação de moinhos se verificasse predominantemente deste lado. Do outro lado, as vertentes acabam mais abruptamente na água. As plataformas fluviais não são propícias a construções perto da água.
Claro que estou a referir-me a um percurso que terá cerca de 30 km de extensão ao longo do rio, desde a Abrunhosa do Mato. A montante destes 30 Km não conheço a realidade, logo não posso tirar qualquer tipo de ilações. A jusante de Abrunhosa do Mato (a partir da Quinta da Barca) a situação repete-se. É também frequente apresença de moinhos nas plataformas do lado de Nelas e menos no lado de Seia. Pelo memos até às Caldas da Felgueira. Daí para a frente também desconheço.
Uma outra ilação interessante é a vida ribeirinha que sempre e desde tempos remotos ali se desenvolveu. Não me refiro apenas à "industria" da moagem, mas à agricultura de sucalcos que se pode observar, neste caso nas duas margens. Houve grandes investimentos de tempo, de dinheiro, de trabalho na construção de muros que suportam os sucalcos, de casas, hoje a maioria em ruínas. Hoje o rio separa, nos tempos remotos o rio juntava as pessoas, as comunidades dum lado e do outro das margens.
Foi uma forma de vida que hoje se encontra completamente extinta. Nos últimos 50 a 60 anos as pessoas viraram costas ao Mondego e concentraram os seus esforços agrícolas nos terrenos à volta das aldeias.
O desenvolvimento das Vilas e das cidades, no fundo a Industrialização, os serviços e a emigração para outros países (sempre presente na Abrunhosa do Mato, e noutras aldeias do concelho de Mangualde e também nas aldeias ribeirinhas dos Concelhos de Gouveia e Seia, fizeram com que houvesse um êxodo do Mondego. Isto deu lugar a um completo abandono de todas as actividades agrícolas e de moagem localizadas nos sucalcos do Rio.
Os pinhais, outrora limpos, foram sendo invadidos pela vegetação rasteira. Estava aberto o caminho para a onda de incêndios que sempre assolou (pelo menos nos últimos 30 anos) as duas encostas do Mondego. Hoje as giestas, as silvas e outro tipo de vegetação que cresce com os incêndios invadem por completo aquelas encostas.
A barragem vai encarregar-se do total desaparecimento destas extintas formas de vida. Para a História vão ficando alguns destes registos fotográficos e fílmicos e a memória de paisagens que ainda baila nas nossas cabeças. Para a História ficarão os relatórios dos técnicos que nos estudos de Impacte Ambiental relatarão todas os vestígios das várias formas de vida: humana, animal, vegetal, etc. que se perderão. É o progresso a substituir-se ao antigo progresso. É, em rigor, o Devir Histórico. Irónicamente a Barragem há-de servir para que o velho Mondego junte novamente as pessoas, as comunidades das duas margens, mas desta vez com actividades e por motivos distintos dos de antanho.
 
<$Comentários$>:
Nós também lá fomos ver, talvez pela última vez, o terreno no qual a maior parte de nós passou um pouco da juventude.
Boa Tavares é sempre bom relembrar a nossa juventude.

CRDA
 
Tinham levado uma gadanha ou uma roçadora e roçavam um tunadita de mato para a cama do gado.

Um abraço

PS – tens duas musicas ao mesmo tempo por causa dos dois slides e isso fere o meu “piqueno” cérebro.
 
António está muito bom. Mas esta ida ao Mondego aguçou-me o apetite para lá ir outra vez, num outro dia qualquer, mas munido de água, lanterna e uma merenda, para se poder explorar os túneis e mais para montante da ponte.
Anónio Joaquim
 
olá António! Só para acrescentar que esse velho moinho em ruínas tem nome é o moinho do Caldeirão e pertencia aos meus antepassados.Infelizmente não é recordado pela família por bons motivos pois foi aí que o meu bisâvo morreu afogado aquando tirava as telhas do moinho(era costume tirarem as telhas durante o Inverno pois a água do rio levava tudo. parabéns pelo seu trabalho, pois é sempre bom ter alguém interessado pelo património histórico desta aldeia. já agora se souber pormenores da história da quinta dos currais....ouvi dizer que é mais antiga que a própria aldeia.será verdade????obrigado
 
Se conhecesse estes lugares fantásticos talvez não dissesse hoje " A Abrunhosa do Mato é a única aldeia do concelho, onde até hoje..."
 
De certeza que não...caro Luke
 
Beta, para saberes a resposta à tua questão lê o pos t que acabei de escrever.
 
Esta muito interessante,tenho pena que nunca tenha ido a esse lugar pelo menos nao dessa maneira pois a unica vez que me lembro ter ido para ai foi a nadar pela levada acima,pode ser que ainda tenha a oportunidade de ver esses tuneis de mais perto.
 
Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]





<< Página inicial
Espaço para reflexões sobre Património Cultural, Arqueologia, Historia e outras ciências sociais. Gestão e Programação do Património Cultural. Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo deste blog sem o prévio consentimento do webmaster.

A minha fotografia
Nome:

António Tavares. Arqueólogo e Gestor do Património Cultural. Actividade liberal, Arqueoheje e Município de Mangualde.


Arquivo
Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Fevereiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Julho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Outubro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Março 2007 / Abril 2007 / Maio 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Setembro 2007 / Outubro 2007 / Novembro 2007 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Setembro 2008 / Outubro 2008 / Novembro 2008 / Dezembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 / Outubro 2009 / Dezembro 2009 / Janeiro 2010 / Abril 2010 / Junho 2010 / Setembro 2010 / Novembro 2010 / Janeiro 2011 / Fevereiro 2011 / Março 2011 / Abril 2011 / Maio 2011 / Junho 2011 / Julho 2011 / Agosto 2011 / Setembro 2011 / Outubro 2011 / Novembro 2011 / Dezembro 2011 / Janeiro 2012 / Abril 2012 / Fevereiro 2013 / Junho 2013 / Abril 2016 /




Site Meter

  • Trio Só Falta a Mãe
  • Memórias de Histórias
  • arte-aberta
  • Rede de Artistas do Arte-Aberta
  • Museu Nacional de Arqueologia
  • Abrunhosa do Mato
  • CRDA
  • Instituto Arqueologia
  • Terreiro
  • O Observatório
  • Domusofia
  • O Mocho
  • ACAB
  • O Grande Livro das Cabras
  • Teoria da conspiração e o dia dia do cidadão
  • O meu cantinho
  • Escola da Abrunhosa
  • O Fornense
  • Um Blog sobre Algodres
  • d'Algodres:história,património e não só!
  • Roda de Pedra
  • Por terras do Rei Wamba
  • Pensar Mangualde
  • BlueShell
  • Olhando da Ribeira
  • Arca da Velha
  • Aqui d'algodres
  • n-assuntos
  • Universidade Sénior Mangualde
  • Rotary Club de Mangualde
  • galeriaaberta
  • Francisco Urbano
  • LONGROIVA
  • Kazuzabar